FORÇA TAREFA. Um esforço emergencial da Prefeitura para recolher o lixo nas ruas

lixo 8

A empresa Edserv, que estava fazendo e coleta de lixo da cidade, abandonou a coleta no último dia 23, antevéspera de Natal.

lixo 91A Prefeitura de Gravatá iniciou, nesta quarta-feira (30), uma força tarefa para limpar a cidade durante o período de Réveillon.

Um total de 25 homens, divididos em cinco equipes, utilizam oito máquinas pesadas, entre elas: caçambas, retroescavadeiras, pás enchedoras e compactadores.

O intuito é fazer a coleta de lixo e, assim, garantir a limpeza da cidade, enquanto uma nova empresa não inicia os trabalhos na cidade.

No Centro, a varrição iniciou pelas ruas Cleto Campelo e Rui Barbosa, seguindo, posteriormente, pelas demais ruas da cidade.

A ação, coordenada pela Secretaria de Infraestrutura, Mobilidade e Controle Urbano, será realizada em toda a cidade e, além da coleta do lixo, também está sendo feita uma varrição em todo o município.

 Histórico: Após assumir a Prefeitura, a Intervenção passou a fiscalizar a coleta com mais rigor. Responsável pelo contrato contestado no Tribunal de Contas do Estado (TCE), a empresa Edserv abandonou a coleta no último dia 23, antevéspera de Natal.

Para a população não acabar prejudicada, a Executiva municipal assumiu diretamente o serviço. As providências para a contratação de uma nova empresa já estão sendo realizadas.

Informações de bastidores dão conta de que pessoas ligadas às forças políticas do município estão espalhando o lixo durante a noite como uma forma de desestabilizar o governo.

Uma vistoria feita pela Prefeitura na manhã da terça-feira (29), comprovou que algumas sacolas de lixo foram rasgadas e atiradas no meio da rua, no Centro. A Polícia Militar foi acionada para apurar o caso.

_________________________

Com informações e fotos enviadas pela Secretaria de Comunicação e Imprensa da Prefeitura de Gravatá.
 
lixo 2 lixo 3 lixo 4 lixo 5 lixo 6  lixo 8 lixo 9 lixo 7

Porque uma empresa de recolimento de lixo tem tanto poder em Gravatá?

Existe alguma maneira de proteger a população de uma calamidade dessa?

lixoDenuncias nunca provadas ou confirmadas – mas, muito faladas – revelam que a coleta de lixo de Gravatá é uma das mais bem pagas do Estado. O Tribunal de Contas do Estado – TCE, sempre divulgou que essas questões sempre estiveram em investigação. Mas nunca se viu punição.

E porque a Prefeitura sempre teve problemas de honrar com o pagamento dos serviços de limpeza urbana?

No final de 2012 Gravatá passou um Natal e o réveillon com lixo nas ruas.

No final deste ano de 2015, Gravatá está coberta de lixo, presente de Natal e de réveillon.

Nos meses de outubro e novembro a coleta do lixo foi suspensa em alguns fins de semana por que a empresa que presta o serviço alegava que teria paralisado a coleta por falta de pagamentos.

A última notícia veiculada na cidade é que a Prefeitura teria ficado devendo R$ 1,3 milhão a empresa que estava prestando o serviço.

E as perguntas que o povo faz:

– o que a população que paga seus impostos tem a ver com isso?

– que poder tem uma empresa dessa que abandonar a população ao lixo deixando de prestar um serviço essencial e indispensável à população? Existe alguma lei que protege o cidadão desses vexames?

– porque a gestão pública deixa a situação chegar a um extremo desse prejudicando a população e emporcalhando a cidade, causando sérios problemas de saúde da comunidade e ao bem estar social?

– quem pode resolver esse problema que já está insuportável?

– cabe alguma punição a empresa que deixou a cidade jogada ao lixo mesmo com a dívida pela falta de pagamento?

– existe alguma lei que protege o cidadão de uma calamidade dessa?

Ficam as perguntas enquanto o lixo continua acumulado nas ruas. 

Mais de 100 jornalistas foram mortos em 2015, diz ONG Repórteres Sem Fronteiras

A ONG aponta que 77 morreram enquanto trabalhavam.  Maior parte das vítimas morreu em países pacíficos.

morteUm total de 110 jornalistas foram mortos em todo o mundo em 2015, informou a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) nesta terça-feira (29), destacando que a maioria foi vitimada por causa de seu trabalho em países supostamente pacíficos.

Sessenta e sete jornalistas foram mortos enquanto trabalhavam e outros 43 morreram em circunstâncias ainda não determinadas, segundo o grupo em seu relatório anual. Mais 27 cidadãos que atuavam como jornalistas não profissionais e 7 funcionários de outras mídias também foram mortos.

Em 2014, dois terços dos jornalistas foram mortos em zonas de guerra, mas em 2015, ocorreu o exato oposto: dois terços foram mortos em países supostamente pacíficos.

Com oito jornalistas assassinados em 2015, o México foi o país da América Latina mais perigoso para a profissão, onde foram registrados 67 profissionais da informação mortos.

A lista dos países mais perigosos para os jornalistas em 2015 é liderada pelo Iraque (11 assassinados) e a Siria (10), seguidos pela França, com oito mortos, ocupando o terceiro lugar por causa do ataque contra a revista satírica Charles Hebdo há quase um ano.

Em todo o mundo, há atualmente 54 jornalistas feitos reféns, contra 40 em 2014, apesar deste ano haver menos sequestros que o anterior.

No total, 787 jornalistas foram mortos no mundo desde 2005 durante o exercício de sua profissão.

A ONG critica a falta de envolvimento de certos países para proteger seus jornalistas e exige uma reação que esteja à altura da emergência.

“Esta preocupante situação pode ser imputada à uma violência deliberada contra os jornalistas e coloca em evidência o fracasso das iniciativas destinadas a protegê-los”, conclui o texto.

 

Hoje, às 17 horas, será celebrada Missa na Matriz de Sant´Ana pelos 17 anos de morte do Monsenhor Cremildo

UM GRANDE PERSONAGEM DA HISTÓRIA DE GRAVATÁ

.

cremildoPadre Cremildo Batista de Oliveira nasceu no dia 18 de outubro de 1930, na cidade de São Joaquim do Monte, no Agreste de Pernambuco, menino pobre, filho de pais camponeses, Firmino Batista de Oliveira e Luzia Maria de Oliveira.
.
Adotou o nome de Paulo, antes do Cremildo, para homenagear o apóstolo Paulo que tanto admirava e as suas escrituras.
.
Trabalhou nas dioceses de Sairé, Bezerros e Bonito, antes de chegar para assumir a paróquia de Gravatá no ano de 1964, onde viveu até o dia de sua morte no dia 29 de dezembro de 1998. Norreu com 68 anos de idade. Seus restos mortais estão sepultados dentro da Igreja de Sant´Ana onde dirigiu e rezou missas durante 44 anos.
.
Gostava de política e um dia resolveu aceitar o convite da população local que o elegeu prefeito de Gravatá. Exerceu um mandato de seis anos. No dia 15 de novembro de 1976 foi eleito, tomando posse no dia 31 de janeiro de 1977.
.
Austero, prestava contas do dinheiro do município toda a semana utilizando serviço de som na praça pública para que toda a população tomasse conhecimento. Governou Gravatá até 31 de janeiro de 1983. Fez uma grande administração e soube honrar com muita dignidade a confiança que o povo lhe depositou.
.
Foi sem dúvidas, um grande personagem da vida publica de Gravatá durante os 44 anos em que viveu por aqui e até os dias atuais continua sendo um exemplo de um destacado religioso, de homem público, de líder político e espiritual.

ALERTA! Com as chuvas de dezembro, cabeceira do Rio Ipojuca recebeu significativo volume de água. Que tal prevenir aqui em Gravatá?

Um pequeno alerta para o pessoal da Defesa Civil de Gravatá

ipojucaAs chuvas caídas no Sertão e parte do Agreste pernambucano tem provocado acumulação de águas nas bacias hidrográficas, dentre elas a do Rio Ipojuca que nasce na Serra das Porteiras  em Arcoverde e desagua no Oceano Atlântico nas proximidades do Porto de Suape, em Ipojuca, banhando 12 municipios numa extensão de mais de 400 km.

  Janeiro e fevereiro prometem ser de muitas chuvas na região e com isso, nasce uma preocupação com relação as enchentes do rio, que está assoreado, coberto de baronesas e vegetais, suas margens invadidas e recebendo durante o ano todo resíduos poluentes de esgotos e lixo.

O rio vem sendo monitorado frequentemente em seu volume de água, principalmente pelas Defesas Civil das prefeituras de Belo Jardim, São Caetano e Caruaru, visando prevenir para possíveis enchentes.

Nestes três municípios já foram registrado uma pequena alteração no volume de água. Uma situação que logo virá refletir em Bezerros e Gravatá onde o rio está coberto de vegetação.

No ano de 2008 Gravatá sofreu com uma grande enchente do Rio Ipojuca. Em 2014 o volume subiu e chegou a assustar e dar muito trabalho.

O RIO IPOJUCA

O rio Ipojuca tem sua nascente no município de Arcoverde na Serra das Porteiras, entre as localidades Pedreiras e Lagoa, a uma altitude de 876 metros.

Segue a direção geral oeste-leste, da nascente até a cidade de Chã Grande, onde inflete para sudeste, mantendo-se nessa direção até a desembocadura ao Sul do Porto de Suape.

Nesse percurso, o Ipojuca banha várias cidades dentre as quais se destacam Pesqueira, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Caetano, Caruaru, Bezerros e Gravatá (no Agreste) além de Chã Grande, Primavera, Escada e Ipojuca na Zona da Mata, recebendo das mesmas um volume elevado de poluentes ao qual se acresce a carga poluidora de esgotos urbanos, atividade agroindustrial, usinas, destilarias e canaviais localizada em sua bacia.

Toda essa carga de detritos industriais e domésticos faz com que o rio Ipojuca seja um dos rios mais poluído do Brasil.

 

Debate político do “Metralhadora Giratória” repercute na cidade nos blogs e redes sociais sa Internet

Essa matéria com o respectivo áudio com a gravação do programa foi copiado do BLOG DE OLHO EM GRAVATÁ, do blogueiro Gilvan Silva.

“Ultimo Metralhadora Giratória do Ano Marcado por Bate Bocas e Discussões durante o Programa”


metra 40

 

O Último Metralhadora Giratória do ano, foi marcado por Bate bocas e acusações durante o programa.

O Programa apresentado pelo Jornalista Cláudio Castanha na tarde deste sábado 26, na Rádio Gravatá FM 92,3, repercutiu em todo estado pernambucano.

Os convidados, Raminho Coiffeur, Eduardo Cassapa, Cecé Ribeiro, Alexsandro Andrade e Agostinho, debateram sobre a atual situação que Gravatá vivencia com a intervenção.

O lema do programa era debate Gravatá, mais ficou provado que durante todo programa, alguns participantes tomaram partido, e protegeram seus candidatos ou ex-patrões durante a entrevista.

Teve ex-funcionário que defendeu ex-prefeito, teve ex-vereador defendendo deputado e ex-prefeito e o blogueiro que chamou o interventor de Alienígena por não conhecer e não ser da cidade.

De 100% o programa levou 110% porque o apresentador, “não se sabe se foi de proposito”, conseguiu reunir cinco pessoas que vivem ligadas a política e que tem um pensamento diversificado e uma visão diferente de cada político.

O empresário Eduardo Cassapa foi o mais concentrado no quesito “DEBATER GRAVATÁ”. Ele demonstrou clareza em seu modo de ver a intervenção, opinando pelo Golpe Político dado a cidade, 

Durante a Entrevista, o Blogueiro conceituado, Raminho Caiffeur disse que o ex-vereador  Cecé Ribeiro tinha dito em um palanque que o Ex-prefeito de Gravatá, Ozano Brito era ladrão, o que gerou uma discussão entre os participantes elevando ainda mais a audiência do programa.

O ex-vereador, desmentiu o blogueiro no alto de acusação e disse que se o mesmo torna-se a acusá-lo novamente deixaria o programa, o que aconteceu no final após suas considerações finais.

Aos participantes, foram concedidos cinco minutos para as considerações finais. 

O Primeiro a falar foi Cecé que continuou defendendo o deputado Waldemar Borges, dizendo que o povo só o culpava de tudo de mal que estava acontecendo, após suas palavras, ele deixou a emissora.

O Segundo foi Agostinho que deixou suas opiniões e agradeceu pelo espaço. 

O Terceiro foi Eduardo Cassapa que desejou um Feliz ano novo para os ouvintes e amigos e reformou sua opinião, “Gravatá vive hoje um Golpe político”, uma das frases usadas pelo empresário. Eduardo afirmou que em breve, o Vice-prefeito Rafael Prequé vai se pronunciar sobre a sua sigla partidária e porque não assumiu a prefeitura já que ele é vice-prefeito.

O Quarto foi Alex que continuou defendendo seu modo de pensar sobre politica, respeitados os partidos e bandeiras, mais defendendo seu ex-patrão, foi o que deu a entender.

O Quinto e último a falar foi o Blogueiro Raminho que afirmou não retirar uma só palavra do que tinha dito e continuou defendendo sua visão social de ver a política.

O Apresentando prometeu remarcar uma nova entrevista com os mesmos convidados deste ultimo programa de 2015 que foi uma verdadeira METRALHADORA GIRATÓRIA.

Confira a Entrevista Completa reproduzida pelo DE OLHO EM GRAVATÁ.  http://www.deolhoemgravata.com/2015/12/ultimo-metralhadora-giratoria


 

 

Facepe lança edital com 180 bolsas de Incentivo Acadêmico

A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco – Facepe – lança edital para inserção em atividades de ensino, pesquisa e extensão de alunos egressos da rede pública de ensino que obtiveram as melhores classificações nos exames vestibulares das Instituições públicas de Ensino Superior (IES) do estado, federais ou estaduais. 

facepeSão 180 bolsas anuais no valor de R$ 300 mensais . Os interessados podem apresentar propostas até o dia 05 de fevereiro de 2016.

Podem participar do programa, na condição de proponente, qualquer IES pública de Pernambuco, federal ou estadual. As propostas institucionais serão apresentadas por um representante da administração superior da IES que atuará, obrigatoriamente, como Coordenador do Programa BIA da Instituição.

As propostas devem ser encaminhadas à Facepe pelo coordenador institucional, designado pelo dirigente máximo, mediante ofício endereçado à Diretoria Científica informando nome completo e CPF do coordenador. O envio é realizado pelo Sistema AgilFAp (http://agil.facepe.br ) no formulário de solicitação de Auxílio a Projeto de Pesquisa (Modalidade APQ).

Bolsa de Incentivo Acadêmico – BIA

A Facepe contribui, através do Programa de Incentivo Acadêmico, com orientação tutorial destinado não só a apoiar financeiramente o ingressante durante o primeiro ano do curso, mas estimular também seu engajamento imediato em atividades de ensino, pesquisa e extensão para facilitar a inserção em outros programas das universidades públicas, a exemplo da iniciação científica, iniciação à docência, programa especial de treinamento, entre outros.

 

Para conferir o edital, clique aqui.

Prefeitura de Gravatá se reúne com servidores para tratar sobre greve nesta segunda

Essa matéria saiu no BLOG DO JAMILDO deste domingo, dia 27 de dezembro

Nesta segunda-feira (28), às 10h, representantes do Sindicato dos Servidores Públicos de Gravatá (Sindsgra) devem se reunir na Secretaria de Administração do município para tratar da greve com secretários municipais. A paralisação, que segue por tempo indeterminado, começou nesse sábado (26).

Prefeitura-de-GravatáA categoria cobra uma definição sobre o pagamento do 13º salário, da folha de dezembro e do terço de férias da Educação, que a gestão municipal não tem previsão de quando poderá pagar. O coronel Mário Cavalcanti assumiu como interventor da cidade no dia 18 de novembro, após o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) aprovar o afastamento das funções do prefeito Bruno Martiniano (sem partido).

Dificuldades

Em entrevista ao Blog de Jamildo, o secretário de Administração de Gravatá, Ronaldo Acioly Filho, disse que desde a decretação da Intervenção, a gestão tem demonstrado interesse “num diálogo permanente e transparente com as categorias profissionais, tendo sido realizados inúmeros encontros com os sindicatos”.

Porém, segundo o secretário, a situação atual do município, por si só, já inviabiliza o tratamento adequado da pauta de reivindicações, especialmente porque em sua grande parte concerne a questões financeiras.

Ronaldo Acioly elencou uma série de motivos que comprometem um acordo financeiro com os servidores, confira:

  • Comprometimento da Receita Corrente Líquida com a Despesa Total de Pessoal na ordem de 72%, conforme relatório do Tribunal de Contas do Estado, quando o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal é de 51,3%;
  • Diversas falhas nos processos de contratação de pessoal, sem a devida observância da legislação federal ou mesmo a municipal;
  • Débitos com a Receita Federal, especialmente em razão da falta de repasse do INSS patronal e da contribuição dos servidores, o que tem ocasionando em retenções que comprometem o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (somente no mês de dezembro, tivemos uma frustração de receita de aproximadamente R$ 1 milhão, tendo sido zerada a cota normal do repasse do dia 10/12);
  • Pagamento exclusivamente do valor líquida da folha, o que ocasiona na falta de pagamento das obrigações legais previdenciárias e na falta de repasse das consignações às instituições financeiras, aos sindicatos e ao plano de saúde dos servidores;
  • Atraso no pagamento dos servidores (quando da assunção pela gestão da Intervenção, em 19/11, os salários de outubro ainda não haviam sido pagos), bem como notícias de constantes atrasos nos meses anteriores;
  • Redução considerável da arrecadação do Município, tendo em vista a crise econômica nacional e a falta de políticas municipais que ensejem o incremento do fluxo de caixa que permita a clareza e o compromisso de estabelecimento de um cronograma real;
  • Falta de clareza quanto à expectativa de receita, tanto em razão da baixa arrecadação, quanto em virtude das constantes retenções no FPM, impedindo que se garanta o pagamento do 13º salário.

A atual gestão prometeu pagar o 13º e o salário de dezembro em 2016, mas sem previsão e com o abono natalino parcelado. Hoje, existem 1,2 mil servidores públicos efetivos em Gravatá, no Agreste do Estado. Entre os meses de outubro e novembro, o sindicato já havia decretado greve por 50 dias, ainda durante a gestão Martiniano, por causa do atraso de salários.

“A Constituição Federal, em seu artigo 169, determina que haja previsão orçamentária adequada e compatível com a despesa de pessoal, o que não se operou no Município, conquanto o caixa financeiro não suporta toda a folha de pagamentos, incluindo aí os direitos e vantagens dos servidores, assim como as obrigações legais”, disse o secretário.

Segundo a Prefeitura de Gravatá, metade do 13º salário foi paga em julho, ainda na gestão Martiniano. A atual administração diz que não é capaz de definir um calendário de pagamento para os servidores porque hoje não tem garantias quanto a entrada de dinheiro em caixa, mas que garante que fará os desembolsos em 2016. De acordo com a prefeitura, quando o interventor assumiu o posto no mês passado não havia reserva de recursos para pagar o abono de Natal.

A Lei de Responsabilidade Fiscal, em seu artigo 22 determina que os Municípios que tenham ultrapassado o limite de comprometimento ficam impedidos de realizar qualquer aumento de despesas de pessoal, o que frustra os anseios dos sindicatos, diante de uma pauta de reivindicações quase que completamente financeira.