PRISÃO DO EX-PRESIDENTE – STJ adia para próxima semana julgamento de habeas corpus de Lula …

A análise do habeas corpus foi remarcada para o dia 6 de março, terça-feira da próxima semana, às 13h

LULAO Superior Tribunal de Justiça (STJ) adiou nesta quarta-feira, 28, o julgamento do habeas corpus preventivo da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a possibilidade de prisão dele após o julgamento do recurso contra sua condenação no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

A análise do habeas corpus pela Quinta Turma do STJ, que estava prevista para amanhã, foi remarcada para o dia 6 de março, terça-feira da próxima semana, às 13h. A assessoria de imprensa do tribunal não tem informações sobre o motivo do adiamento.

No habeas corpus preventivo, dez defensores do ex-presidente solicitavam liminarmente que ele pudesse recorrer em liberdade contra a condenação ao próprio STJ e ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Para os advogados, há “certeza” de que o petista sofrerá um “constrangimento ilegal” com sua prisão “em breve espaço de tempo”.

Conforme o atual entendimento do STF, as penas impostas aos réus podem ser executadas, ou seja, pode haver prisão, a partir de condenação em segunda instância, como é o caso do ex-presidente.

No recurso, os advogados de Lula ressaltavam que o Supremo reconheceu apenas a “possibilidade” de prisão após segunda instância, que não seria obrigatória e automática, e alegam que a decisão dos desembargadores viola a presunção de inocência do ex-presidente.

Novo Ministro da Segurança Pública Nacional, Raul Jungmann, diz que está autorizado a contratar 500 policiais federais e 500 policiais rodoviários federais

rsulMinistro da recém-criada pasta da Segurança Pública deu entrevista coletiva nesta terça-feira. Ele ainda afirmou que vai reforçar a área de combate à corrupção com a realocação de 20 novos delegados.

Pf-e-PRFO ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta quarta-feira (28) que foi autorizado a contratar mil novos policias federais e rodoviários federais.

Jungmann, que tomou posse nesta terça-feira (27), afirmou que uma de suas primeiras ações à frente da pasta da Segurança foi acionar o Ministério do Planejamento para saber com quais recursos vai poder contar.

Ele disse que a pasta terá R$ 2,7 bilhões de orçamento para este ano e não sofrerá nenhum contingenciamento de verba. O ministro afirmou ainda que o dinheiro deverá sair do Ministério da Justiça, pasta que antes era responsável pela Força Nacional, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, órgãos agora sob a alçada da Segurança Pública.

“Sobre a necessidade e urgência de reforçar recursos humanos, especialmente na Polícia Federal e na Polícia Rodoviária Federal, estamos autorizados a fazer concursos, com 500 novos agentes para a Polícia Federal e 500 novos agentes na Polícia Rodoviária Federal”, afirmou Jungmann, em entrevista coletiva.

Segundo o ministro, os concursos para a PF e a PRF ainda não têm data definida, mas devem acontecer ainda em 2018.

Jungmann afirmou ainda que pretende duplicar o contingente de policiais federais em postos de fronteira. Segundo o ministro, o número passará a 300 agentes.

Ele também disse que vai reforçar a área de combate aos crimes de corrupção, com a realocação de 20 delegados para o setor. Segundo Jungmann, é uma “área que tem tido uma grande demanda”.

Em relação à PRF, o ministro disse que pretende aumentar para 330 o número de postos de videomonitoramento de estradas, dentro de um programa a ser chamado de Alerta Brasil.

Além da adoção de um sistema de plantão voluntário de policiais rodoviários. O governo compraria horas de folga desses agentes.

Policiais nas ruas

O ministro também disse que a pasta quer “policiais nas ruas”. Por isso, afirmou que vai conversar com os governos estaduais sobre o tema.

Ele citou, como exemplo de situação que pretende mudar, o caso do Rio de Janeiro, que tem, segundo o ministro, um número excessivo de policiais em funções administrativas.

“Queremos policiais nas ruas, não como acontece no Rio de Janeiro, em que mais de 2500 policiais estão em atividades de outros órgãos, realizando outro tipo de atividade que não nas ruas”, afirmou.

Ele afirmou que objetivo é que o número de policiais em funções administrativas não passe de 2% do total da corporação.

Segundo o ministro, as medidas anunciadas nesta quarta são “iniciais” e voltadas para tentar resolver “gargalos” da segurança pública.

Intervenção Federal

Jungmann também comentou a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro. Questionado sobre quais serão os gastos com a operação, ele afirmou que os detalhes ainda serão apresentados pelo presidente Michel Temer.

Sobre a possibilidade de outros estados solicitarem intervenção, o ministro afirmou que não vê outro caso que justifique essa demanda.

“Não vejo, em que pese situações graves, aflitivas em muitos outros estados, eu não vejo uma outra situação que demande outra intervenção”, disse.

Força Nacional

Durante a entrevista, Jungmann afirmou, sem dar detalhes, que nova pasta tem a intenção de tornar a Força Nacional um órgão permanente.

Atualmente, a Força Nacional é um programa não-permanente de cooperação entre estados e União. A Força Nacional executa, através de convênio, atividades de preservação da ordem pública e atua em situações de emergência na segurança de pessoas e do patrimônio.

Segundo a assessoria do ministro, a ideia é transformar o atual modelo permanente, algo menos improvisado, com efetivo próprio, mas que continuaria a atuar através das demandas estaduais.

AGORA É LEI NO ESTADO DO MATO GROSSO! Família de aluno que agredir professor será responsabilizada.

AGRIDECaso comprovado o ato de violência contra o profissional do ensino , tendo dano material, físico ou moral, responderão solidariamente a família do ofensor, se menor, o ofensor e a instituição de ensino.

Com informações do site https://www.soescola.com

O governador do Mato Grosso, Pedro Taques,  sancionou a Lei 10.473, de autoria do deputado Sebastião Rezende (PSC), que institui a “Política de Prevenção à Violência contra Profissionais da Educação da Rede de Ensino do Estado de Mato Grosso”.

Conforme a Lei, ficam instituídas normas para promover a segurança e proteção dos profissionais da educação em Mato Grosso, no exercício de suas atividades laborais, englobando os docentes, os que oferecem suporte pedagógico direto no exercício da docência, os dirigentes ou administradores das instituições de ensino, os inspetores de alunos, supervisores, orientadores educacionais e coordenadores pedagógicos.

A proposta do parlamentar é que as instituições de ensino de Mato Grosso estimulem docentes e alunos, famílias e comunidade para a promoção de atividades de reflexão e análise da violência contra os profissionais do ensino,

Adotem medidas preventivas e corretivas para situações em que profissionais do ensino, em decorrência de suas funções, sejam vítimas de violência ou corram riscos quanto à sua integridade física ou moral;

Estabelecer, em parceria com a comunidade escolar, normas de segurança e proteção de seus educadores como parte integrante de sua proposta pedagógica;

Incentivar os alunos a participarem das decisões disciplinares da instituição sobre segurança e proteção dos profissionais do ensino; e demonstrar à comunidade que o respeito aos educadores é indispensável ao pleno desenvolvimento da pessoa dos educandos.

A lei prevê determina que as medidas de segurança, de proteção e prevenção de atos de violência e constrangimento aos educadores incluam campanhas educativas na comunidade escolar e na comunidade geral;

Afastamento temporário do infrator conforme a gravidade do ato praticado; e transferência do infrator para outra escola a juízo das autoridades educacionais.

Caso comprovado o ato de violência contra o profissional do ensino , tendo dano material, físico ou moral, responderão solidariamente a família do ofensor, se menor, o ofensor e a instituição de ensino.

O profissional de ensino ofendido ou em risco de ofensa poderá procurar a direção da instituição de ensino e postular providências corretivas.

ATRAÇÃO – Pernambuco é destaque nacional no Índice da Atividade Turística

O crescimento do Estado rendeu o primeiro lugar nacional na receita das atividades turísticas e o segundo no ranking nacional da oferta de serviços 

REC FERO Índice da Atividade Turística da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgado pelo IBGE nesta semana, colocou Pernambuco na posição de destaque no Brasil.

Mesmo diante de um cenário nacional de retração econômica, em 2017, Pernambuco foi destaque no Índice da atividade Turística nos índices de volume de serviços e receita nominal.

REC GRA  No acumulado de janeiro a dezembro de 2017, Pernambuco lidera o ranking da receita nominal e foi 2º no volume de serviço da atividade.

A colocação do Estado é significativa e representa na prática mais empregos, mais dinheiro circulando na economia, mais desenvolvimento e mais crescimento para todos.

REC A receita gerada com os serviços ofertados pelas empresas que desempenham atividades turísticas cresceu 18%, em relação ao mesmo período de 2016. Pernambuco também segue à frente na receita no comparativo com os outros estados do Nordeste.

Estados como Ceará e Bahia fecharam o ano de 2017 com crescimento de 13% e 9%, respectivamente. No volume de serviços, Pernambuco cresceu 8 pontos percentuais em relação à 2016. O crescimento da oferta de serviços ligados ao turismo de Pernambuco segue na contramão do país. Enquanto Pernambuco cresceu, o Brasil registrou queda de 7%.

 “Pernambuco vem apresentando resultados expressivos no turismo. O setor é responsável por 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, um percentual superior, inclusive, ao de atividades como agricultura e agropecuária. O turismo vem sendo fortalecido através de ações promocionais diferenciadas na divulgação dos atrativos locais, captação de novos voos e capacitação profissional. O trabalho é diferenciado e o foco é sempre conquistar o turista”, comenta o secretário de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras.

 REC PORTOA pesquisa do IBGE considera os componentes para formação do Índice de Atividades Turísticas as atividades como serviços de alojamento e alimentação, transportes terrestre, aquaviário e aéreo, além de serviços de agenciamento turístico, agência de viagens e operadoras.

Com base no crescimento geral de Pernambuco no índice, as empresas que trabalham nesses segmentos no Estado vêm oferecendo mais serviços na área de turismo. Além disso, novas empresas que atuam no setor estão surgindo no mercado.

 

IMPORTANTE LANÇAMENTO. A arte de Victor Moreira impressa em lançamento da Cepe

Victor Moreira - foto interna do livroLivro, escrito por Marcondes Lima, tem noite de autógrafos no Museu do Estado, no próximo dia 28 de fevereiro, a partir das 19h

A história de uma vida com mais de 60 anos dedicados à arte e à cultura está impressa no livro A arte de Victor Moreira, que a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) lançará no 28 de fevereiro, às 19h, no Museu do Estado.

Escrita pelo encenador e pesquisador Marcondes Lima, a obra apresenta a vida e as muitas contribuições de um dos mais importantes criadores da cena teatral pernambucana, sua atuação no campo da moda, no jornalismo impresso especializado, TV, entre outras linhas de frente abertas ao longo de uma carreira pautada pela liberdade criativa.

Com 172 páginas e fartamente ilustrado, o livro é resultado de um profundo trabalho de pesquisa realizado durante um ano e meio por Marcondes Lima, que teve como principal fonte de consulta o gigantesco e labiríntico acervo do biografado.

Só para a pesquisa do livro, foram digitalizadas 1.500 imagens – das quais cerca de 250 estão na edição. São desenhos, documentos, páginas de jornais, fotografias, estudos e originais de estamparias criados ao longo das últimas décadas por Victor Moreira, que se prepara para comemorar, no próximo dia 03 de março, 84 anos de vida.

O livro traz ainda textos do professor do Curso de Teatro da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Luís Reis e de Syomara dos Santos Duarte Pinto, professora do Instituto de Cultura e Arte da Universidade Federal do Ceará.

“Entre tudo o que realizou no teatro, um capítulo decerto merece especial destaque: a sua atuação, como um dos pilares criativos, no fabuloso espetáculo da Paixão de Cristo, de Nova Jerusalém. Sem a presença (efetiva e afetiva) de Victor Moreira, a iniciativa da família Mendonça, ao levar o drama do calvário às ruas de Fazenda Nova, e o sonho de pedra de Plínio Pacheco, ao erguer aquela monumental cidade-teatro, teriam enfrentado muito mais dificuldades para se tornar realidade.

O seu nome, portanto, estará sempre inscrito naquelas muralhas, naqueles cenários e nos corações de todos os que viveram – e os que vivem – de perto aquela inacreditável aventura”, destaca Reis.

Victor nasceu em Olinda e traz da infância muito de sua base artística, influência do avô materno, dono do Cine Olinda. Participou da primeira encenação teatral na adolescência, no Colégio Marista, e no Naútico, clube que frequentava, colaborou na realização das festas de Carnaval e São João.

Nos anos 1950, aluno do curso de  odontologia na Universidade do Recife, o acaso pontuou o começo de uma trajetória profissional de sucesso no mundo da moda e nas artes cênicas a partir da mobilização de sua turma, que realizou um desfile de modas para angariar dinheiro para desabrigados das chuvas.

“Poderia ser um livro de 500 páginas. Conseguimos fazer 172, que deixam registradas as múltiplas facetas desse criador inquieto, curioso, workaholic. Várias outras pesquisas poderiam ser feitas a partir desse levantamento inicial”, assegura o autor.

Com a dificuldade de mostrar seu trabalho às novas gerações, Victor Moreira temia ver sua produção ficar esquecida e desaparecer. “Espero que o livro possa despertar curiosidade e, quem sabe, novas investidas nesse acervo tão rico”, finaliza.

________________________________

Com informações da Assessoria de Imprensa do autor.
Serviço
Lançamento do livro A Arte de Victor Moreira
Quando: 28 de fevereiro, quarta-feira
Horário: 19h
Local: Museu do Estado de Pernambuco (Av. Rui Barbosa, 960 – Graças)
Endereço: Avenida Rui Barbosa, 960, Graças.
Valor do livro: R$ 25,00 (livro físico), R$ 8,00 (E-book)
Pontos de vendas: Lojas física e online da Cepe, livrarias Imperatriz, Jaqueira, da Praça; e-books: Google, Saraiva, Cultura, Kobo e Amazon.
Telefone para entrevistas: Marcondes Lima (autor): 9.8848.6284
Assessoria de Imprensa do autor:
Carolina Santos e Edna Nunes (98113-6644/98739-2500)
Assessoria de Imprensa da Cepe: 31832770
Roziane Fernandes: 9.9748.6072
Rodrigo Sobreira – 9. 8833.210
 

“Reflexão – Lc 7, 1-10” – Um texto de Inácio Junior

inmacioUma coisa é a fé em si, e outra coisa é como ela se expressa.

Para muitos, a fé em si nem sequer é percebida, de modo que existe uma necessidade muito grande de ritualismo e de formas exteriores de expressão da fé.

uem tem verdadeiramente fé em Jesus, acredita na autoridade do seu nome e na força da sua Palavra, e não necessita de manifestações exteriores para acreditar na eficácia da sua ação.

Deste modo, todos nós somos convidados a reconhecer que a grandiosidade da fé do Centurião que acreditou plenamente no poder da Palavra de Jesus e não exigiu dele nenhum rito ou gesto exterior e, porque acreditou, foi atendido naquilo que desejava.

Inácio Jr.

“A nossa eterna Revolução…” – Um Texto de CARLOS MOURA GOMES

carlos-mouraO termo “revolução” abrange uma área por demais delicada.

1817Refiro-me aos movimentos revolucionários que, muitas vezes, causa espanto para alguns e honra para outros, mesmo que as divergências políticas culminem com sangrentas guerras

Os Estados Unidos comemoram o dia 04 de julho com orgulho.

Foi com uma corajosa rebelião que treze colônias americanas enfrentaram o poder britânico e, com muita luta, em 1766 ganharam sua independência.

Hoje, não podemos ignorar, é a maior potência do mundo.

A França, no fim do século XVIII, era governada por Luiz XVI, rei sem escrúpulo e inimigo do povo.

Essa classe já não suportando tanta perseguição e injustiça, resolveu se unir e iniciou a mais importante revolução da história moderna.

Em 14 de julho de 1789, os rebeldes conquistaram a Bastilha, uma antiga prisão francesa que se tornou símbolo desse confronto, e assim, colocaram a monarquia de joelhos.

Aqui no Brasil Colônia, após vencerem com muito sofrimento a grande seca de 1816, os valentes nordestinos tendo como sede a então Capitania de Pernambuco, inspirados nos movimentos ocorridos na América e na Europa, revolveram enfrentar as tropas de Dom João VI que governava nosso país de forma tirana e arbitrária, além de derramar dinheiro com a Família Real e seus protegidos.

Eram, comprovadamente, gastos excessivos e desnecessários.

Começava a Revolução Pernambucana de 06 de março de 1817 que proporcionava ao povo, dentre outras vantagens, a liberdade de imprensa, a redução de impostos cobrados desproporcionalmente e uma Constituição elaborada com o povo e para o povo.

A Igreja Católica, comerciantes, juristas, fazendeiros e militares foram fundamentais nessa efêmera vitória de apenas 74 dias de República.

Mês que vem a conhecida Revolução dos Padres completa 201 anos, sem que nenhum governo enxergasse sua merecida importância, não somente na história de Pernambuco, mas do Brasil e do mundo. Sinto-me, honestamente, como se dela tivesse participado ativamente junto ao guerreiro José de Barros Martins, o “Leão Coroado”, e os destemidos missionários João Ribeiro e Miguelinho.

A retomada do poder pelas forças imperiais, jamais representou uma derrota para o povo pernambucano. Afinal, esse exemplo de cidadania se perpetuou em nosso sangue, nos transmitindo a certeza de que “mais valem as lágrimas de não ter vencido do que a vergonha de não ter lutado.”

Pernambucanamente,

CARLOS MOURA GOMES – Gravatá, fev/2018

Maurício Rands: Silêncio eloquente sobre a Venezuela

randsA crise é humanitária. É forte a perseguição política. Prisões de oposicionistas e morte de manifestantes que ousam sair às ruas. A maioria sai é do país.

Artigo publicado no Diario de Pernambuco, edição do dia 26 de fevereiro de 2018 0 – Maurício Rands é advogado, PhD pela Universidade Oxford, Secretário de Acesso a Direitos da Organização dos Estados

venezueka

Os dados variam. Estudo da Universidade Central de Caracas mostra que em 2015, o estoque de emigrantes venezuelanos já era de 606 mil pessoas.

Ao final de 2017, já eram mais de 3 milhões. Quase 80% saíram em 2016 e 2017.

Uma diáspora, que lembra a saga dos nordestinos tão bem descrita por Graciliano Ramos. Que atinge sobretudo os mais pobres.

Mas que envolve algo como 30% de pessoas que chegaram à universidade.

Os mais pobres não podem migrar formalmente para Espanha ou EUA. Vão para a Colômbia (550mil), Chile (109 mil), Peru (100 mil), Equador (80 mil), Argentina (70 mil), Brasil (70 mil) e outros países.

Muitos trechos a pé. Deixam para trás seus lares, pertences, familiares e tudo o mais. Muitos estão acampados na Praça Simão Bolívar e chegam a Boa Vista pela Av. Venezuela. Ironia da História.

Pois foi em nome de Bolívar que o regime destroçou a economia e a democracia de uma país que até então era dos mais ricos e atravessara sem ditadura o ciclo dos regimes militares no continente.

Culpa dos fundamentalistas que estão no poder. Mas também de uma certa elite branca que sempre teve desprezo por seu próprio povo. Como pude constatar quando conheci a arrogância de alguns venezuelanos que estudavam comigo na Universidade de Oxford nos anos 90.

Hoje, quis o destino, trabalho com algumas venezuelanas na OEA que têm atitude oposta. São solidárias ao drama do seu povo que migra para sobreviver e se livrar da perseguição política.

Em sua última sessão, no dia 23/2/18, o Conselho Permanente da OEA deliberou sobre uma proposta de resolução apresentada por Argentina, Brasil, Estados Unidos, México, Panamá e Santa Lúcia.

A diplomacia brasileira, o ministro Aloysio Nunes e o embaixador na OEA José Luiz Machado e Costa estão de parabéns por terem articulado pioneira e ativamente a iniciativa.

Ao considerar a antecipação das eleições presidenciais para 22 de abril, a falta de garantias democráticas para o pleito, bem como o informe da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, a Resolução CP/RES 1095 (2145/18)

i) exorta o governo venezuelano a reconsiderar a convocação e a apresentar um novo calendário com garantias;

ii) solicita ao governo que adote medidas para evitar o agravamento da situação humanitária, incluindo a aceitação da assistência da comunidade internacional; e,

iii) reitera a disposição de apoiar medidas que permitam o retorno à ordem democrática e à paz social. A resolução foi aprovada por 19 votos, tendo 5 votos contrários (Venezuela, Bolívia, Suriname, Dominica, e São Vicente e Granadinas).

Abstiveram-se 8 países, alguns aliados tradicionais da Venezuela na OEA como Equador, Nicarágua e El Salvador. Houve duas ausências.

Verificou-se uma fissura no bloco de países caribenhos, que até então atuavam como rede de contenção à aprovação de resoluções contrárias à Venezuela. Lógico que a resolução não tem força vinculante para o governo venezuelano. Mas aumenta o seu isolamento e a pressão diplomática contra um regime que degenerou em ditadura escancarada.

A resposta do embaixador da Venezuela na sessão, o vice-chanceler Moncada, fala por si. Ele exortou os demais estados-membros a ‘rechaçar qualquer pretensão dos membros da OEA de tutelar os assuntos venezuelanos’.

Afirmou ‘desconhecer qualquer decisão que hoje se tome neste Conselho Permanente’. E conclamou o ‘glorioso povo da Venezuela a defender-se dos agressores que tentam pisotear a liberdade da nossa nação’.

Fica a reflexão para os setores que permanecem em silêncio face ao drama venezuelano. Não falta quem atribua a falta de empregos, alimentos e remédios ao ‘boicote exterior’. A culpa é sempre dos outros. Alguns continuarão a fazer vista grossa à degeneração que prende e mata opositores. Sob o argumento de defesa do ‘projeto popular contra as oligarquias’.

Os mesmos que insistem em fazer da ‘disputa política’ a chave de enquadramento de qualquer fato. Talvez porque cegos à busca do poder político a qualquer preço. Que tal prestar um pouquinho de atenção à correspondência que deveria haver entre sua retórica e a realidade (e consequências) de suas práticas políticas?

___________________________
Artigo publicado no Diario de Pernambuco, edição do dia 26 de fevereiro de 2018
* Opiniões do autor, que não representam posições da entidade a que está vinculado

 

ALIMENTO: JACA, muito melhor do que você imagina

Ela pode tratar e ajudar a curar mais de 8 doenças, veja quais são!

Com informações www.newsrowl.com/volte-comer

jacaA jaca é umas das frutas mais deliciosas. E ela é bem peculiar, pois se trata de uma das maiores frutas nascidas em árvores. Existem a jaca dura e a mole, ambas deliciosas.

Pode ser consumida tanto crua, como cozida, enriquecendo a nossa culinária.

Só em pensar, já dá aquele gostinho na boca! O melhor de tudo é que podemos desfrutar tanto do sabor como dos benefícios dessa deliciosa fruta! É um alimento de baixa caloria, pois fornece apenas 100 calorias para cada 100 gramas consumidos.

Rica em carboidrato, proteínas e fibras, a jaca ainda contém vitaminas A, B, C e E, além de cálcio, magnésio, potássio e fósforo. Quer conhecer as principais vantagens do seu consumo?

Veja:

1. Reduz a pressão arterial

A jaca é rica em potássio, que equilibra a quantidade de sódio em nosso organismo, evitando a pressão arterial elevada. Assim, a jaca é um ótimo remédio para quem sofre com hipertensão.

2. Ajuda a prevenir o câncer

A jaca é uma excelente fonte de antioxidantes e fitonutrientes, o que é ótimo para combater os danos causados pelos radicais livres, que convertem células saudáveis em cancerosas.

Um dos antioxidantes presentes em grande quantidade na jaca são as saponinas. Este antioxidante é um potente agente anticâncer.

Um estudo publicado no Journal of Nutrition revelou que as saponinas previnem e combatem a leucemia e o câncer de cólon.

Muitos cientistas consideram este antioxidante como uma das possíveis fontes da cura do câncer. Vale a pena você pesquisar sobre as saponinas.

Mas o bom é que, ao consumir jaca, você estará obtendo uma dose expressiva deste potente agente anticâncer.

3. Promove a digestão

Por ser rica em fibras dietéticas, a jaca é uma excelente laxante. Ela melhora o funcionamento do intestino, ajuda a proteger o revestimento da membrana mucosa, diminuindo as chances de câncer de cólon.
Além disso, ela tem propriedades antifúngicas.

4. Fortalece os ossos

O magnésio e o potássio, que estão presentes na jaca, são ótimos para a saúde dos ossos. O magnésio é um dos nutrientes que auxiliam na absorção de cálcio no corpo, impedindo, assim, a perda óssea.

Além disso, aumenta a densidade dos ossos. O potássio, por sua vez, ajuda a diminuir a perda de cálcio pelos rins.

5. Fortalece a visão

A jaca é uma rica fonte de vitamina A e antioxidantes. Esses nutrientes ajudam os olhos contra os radicais livres, que podem causar degeneração da retina, prejudicando a visão.

Os seja, o consumo de jaca ajuda a prevenir a cegueira noturna e a degeneração macular.

6. Previne anemia

A jaca contém grande quantidade de nutrientes que podem ajudar a aumentar a formação de sangue, como a vitamina A, C, B6, E, K, niacina, ácido fólico e o ácido pantotênico.

Além dessas vitaminas, há minerais como cobre, manganês e magnésio. A vitamina C, presente em boa quantidade na jaca, aumenta a absorção do ferro no organismo, contribuindo assim para a prevenção da anemia.

7. Aumenta a energia e imunidade

Como já dissemos anteriormente, a jaca é rica em vitaminas que são ótimas para fortalecer o sistema imunológico, evitando e combatendo a gripe e outras viroses, por exemplo.

8. Melhora a pele

A jaca é recomendada para a saúde da pele, graças ao seu alto teor em antioxidantes e vitamina C. E isso atrasa o envelhecimento e evita o ressecamento da pele.

 

REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA DE 1817 – Adilson Ramos faz show gratuito no feriado de 6 de março

O feriado foi aprovado em 2017 na Alepe e passa a valer a partir da próxima data. O show será gratuito, na área interna do Shopping RioMar, no Recife.

Com informações do jornalista Bruno Brandão, do Blog Roberta Jungmann, Folha de Pernambuco.

adilsonO cantor Adilson Ramos faz a festa no dia 6 de março, no RioMar, data que é feriado em Pernambuco em reconhecimento a Revolução Pernambucana de 1817.

Adilson Ramos apresenta um show gratuito às 19h, na Praça de Alimentação, Piso L3.

O espetáculo faz parte do projeto autoral “Feriado é no RioMar” e contará com os clássicos da carreira do pernambucano.