Inscrições para o Programa Ganhe o Mundo Esportivo na reta final, TERMINA 31 DE JANEIRO 2019

Programa de intercâmbio internacional selecionará 25 estudantes da rede pública estadual com habilidades especiais na área de esportes

mundoEstudantes interessados em participar do Programa Ganhe o Mundo Esportivo, promovido pela Secretaria de Educação e Esportes, têm até o dia 31 de janeiro para fazer a inscrição.

São ofertadas 25 vagas para estudantes da Rede Pública Estadual, com previsões de embarques para o Canadá entre julho e setembro deste ano.

O intercâmbio tem duração de oito semanas. Nesse período, os jovens classificados irão aprimorar suas habilidades esportivas em grandes centros de treinamentos, além de participar de aulas de aperfeiçoamento da língua estrangeira.

O programa de intercâmbio oferece aos estudantes a oportunidade de cursarem um período letivo em escola de High School, além de seguro saúde internacional, passagens aéreas, acomodação em casa de família (host Family) com todas as refeições garantidas, além de uma bolsa mensal.

As inscrições podem ser feitas de forma presencial ou via Sedex, através do preenchimento do formulário disponível no edital do certame acompanhado dos demais documentos solicitados.

No caso de inscrição presencial, o candidato deve ir até a Secretaria de Turismo e Lazer – Gerência de Programas de Incentivo ao Esporte, localizada na Avenida Professor Andrade Bezerra, s/n, Salgadinho, Olinda – Pernambuco, no horário das 09h às 12h e das 14h às 17h.

Além do formulário e documentação necessária, entre os requisitos para participar do processo seletivo do PGM Esportivo estão: ter no mínimo 14 anos de idade até o dia 1º de junho de 2019 e 17, no máximo, até o dia 31 de dezembro do corrente ano; estar regularmente matriculado nas escolas da rede estadual nas modalidades Ensino Fundamental II, Ensino Médio regular (normal médio), semi-integral, integral ou médio integral integrado à educação profissional em 2018; média mínima de 6,0 nas disciplinas de português e matemática em 2018; e estar cadastrado no SIEPE.

Saiba mais: www.educacao.pe.gov.br

SERVIÇO

Inscrições para o Programa Ganhe o Mundo Esportivo na reta final

Inscrições até o dia 31 de janeiro

Mais informações para a imprensa: (81) 3183-9300

 

Itália reduz idade para aposentadoria e adota ‘renda cidadã’ para mais pobres

Reforma da Previdência italiana reduz em cinco anos tempo exigido para parar de trabalhar

Jornal O Globo

itaROMA – O governo da Itália publicou na noite desta quinta-feira decretos para diminuir a idade mínima de aposentadoria e criar a “renda cidadã”, uma espécie de Bolsa Família para os mais pobres. As medidas eram promessas de campanha dos partidos populistas que formam a coalizão no poder.

O orçamento de 2019, adotado no final de dezembro, prevê sete bilhões de euros para a renda cidadã, principal promessa do antissistema Movimento 5 Estrelas, e quatro bilhões para a reforma da Previdência, proposta da Liga, de ultradireita.

A renda cidadã é destinada a cinco milhões de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza na Itália, tendo como requisitos serem italianos, europeus ou estrangeiros residentes no país há mais de 10 anos, sendo no mínimo os dois últimos de modo contínuo.

Cinco milhões de pessoas e cerca de 1,3 milhão de pessoas se encontram nessa faixa.

MPF pede ao ministro Sérgio Moro proteção para indígenas sob ‘graves ameaças’ de grileiros

Grileiros invadiram em 12 de janeiro a terra indígena Uru Eu Aw Aw, em Tarilândia e Cabajá e teriam feito ameaças de morte aos indígenas Karipuna, que temem pela segurança das famílias

Com informações do Diário de Pernambuco

indios

indígenas Karipuna

O Ministério Público Federal, por meio da Câmara de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais (6CCR), enviou ofício ao ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Púiblica) pedindo “medidas urgentes” de proteção a comunidades indígenas que se “encontram sob graves ameaças”.

A Procuradoria relata que em Rondônia, grileiros invadiram em 12 de janeiro a terra indígena Uru Eu Aw Aw, em Tarilândia e Cabajá, distritos de Jorge Teixeira. Eles também teriam feito ameaças de morte aos indígenas Karipuna, que temem pela segurança das famílias “em face do iminente risco de conflito”.

 As informações foram divulgadas pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria.

A 6CCR também foi informada sobre “dois possíveis ataques em planejamento”.

O primeiro deles seria na região da terra indígena Xavante de Marãiwatsédé, em Mato Grosso. Segundo o relato, haveria intenções de se retomar o território indígena.

O segundo ataque estaria sendo arquitetado contra os Guarani da Ponta do Arado, no bairro Belém Novo, em Porto Alegre (RS).

Na madrugada de 14 de janeiro, uma das tribos foi atacada a tiros e os indígenas ameaçados de morte, caso não deixassem a área até domingo (19).

O ofício a Moro, assinado pelo coordenador da 6CCR, subprocurador-geral da República Antônio Carlos Alpino Bigonha solicita “imediata intensificação da vigilância das comunidades ameaçadas”.

Maioria da população brasileira não acredita que decreto que facilita posse de armas deixará a população mais segura

Estudo da Toluna mostra que 54% das pessoas não acreditam que armas de fogo trazem mais segurança

armasNo último 15 de janeiro, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que altera regras para facilitar a posse de armas de fogo, ou seja, a possibilidade de o cidadão guardar o equipamento em sua residência ou estabelecimento comercial, visando o aumento de segurança da população. Mas o que os brasileiros acham disso?

Um estudo da Toluna, empresa fornecedora líder de insights do consumidor para a economia sob demanda, mostra que a maioria dos pesquisados, 54%, não acreditam que esse decreto que facilita a posse de armas deixará a população mais segura, contra 39% que acreditam na maior segurança e 7% que não souberam opinar sobre o tema.

Além disso, o estudo perguntou sobre, se esse maior acesso às armas, diminuirá ou aumentará a violência no país. Para 61% dos pesquisados, a medida irá aumentar a violência, para 29% irá diminuir e 10% preferiram não dar uma opinião.

Para que serve a arma de fogo
O estudo também perguntou qual a principal utilidade das armas de fogo compradas. Para 40% ela serve para proteger a família de perigos externos, 16% dizem que querem deixar seu estabelecimento comercial mais seguro, 26% querem poder agir caso algum bandido o ataque e 45% dos que responderam a essa pergunta não acham necessário possuir armas de fogo.

Entre os respondentes, 91% disseram que não possuem arma de fogo, 8% afirmaram que possuem e 1% preferiu não responder.

Link para o estudo: http://tolu.na/l/Cy79BgHb

Nota ao editor
(Pesquisa realizada no dia 17 de janeiro de 2019 com 428 pessoas das classes A, B e C, segundo critério de classificação de classes utilizado pela Abep – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, onde pessoas da classe C2 tem renda média domiciliar de R$ 1.625 por mês)

Sobre a Toluna
A Toluna fornece informações sobre o consumidor para possibilitar o sucesso na economia global atual sob demanda. Impulsionada pela perfeita fusão de tecnologia, experiência e a maior comunidade global de influenciadores, a Toluna oferece percepções ricas, confiáveis e em tempo real para indivíduos e empresas de todos os tamanhos.

Nossa plataforma automatizada de insights do consumidor, o TolunaInsights™, sustenta tudo o que fazemos. Os clientes podem acessar a plataforma diretamente, utilizar os serviços gerenciados da Toluna ou criar programas de insights digitais totalmente personalizados por meio dos nossos serviços de engenharia.

O síndico do Condomínio Ville Perignon, localizado no Km. 89 da Br 232 em Gravatá, está praticando CRIME AMBIENTAL GRAVE

Com a utilização de uma moto serra, a retirada sistemática de diversas árvores (Pau Brasil, Joá, Catingueira, Jurema, etc), sob os mais diversos argumentos

arvore-gravataNa contra mão do seu artigo ”  Plantar árvores ……, diz o cientista”, o síndico do Condomínio Ville Perignon, localizado no Km. 89 da Br 232 em Gravatá, está procedendo com a utilização de uma moto serra, a retirada sistemática de diversas árvores (Pau Brasil, Joá, Catingueira, Jurema, etc), sob os mais diversos argumentos (são invasoras, estão em áreas comuns,  atrapalham a passagem nas calçadas, gasta água, etc) e apesar de já ter sido notificado por assembléia especifica, continua atuando no corte.

Como temos, ainda, diversos exemplares de Pau Brasil, um lindo Boabá e diversas outras espécies, estamos receoso, que o dito síndico, continue sua sanha criminosa e efetue a derruba de mais exemplares da nossa flora e por consequência o afastamento dos animais, por ela beneficiados (Corujas, Gaviões, pássaros diversos, timbus, repteis, etc).

Tomamos as devidas providencias junto a CPRH e Secretaria do Meio Ambiente de Gravata e esperamos aflitos por uma solução definitiva para o caso.

Sendo assim, diante da sua sistemática defesa tanto da flora como da fauna, contamos com sua inestimável ajuda para impedirmos esse danoso crime ambiental, tendo em vista, não satisfeito em aniquilar a nossa flora, ainda queima suas raízes, visando impedir uma possível recuperação da natureza.

Contando com sua ajuda, agradeço.

Osvaldo Martins Furtado de Souza Junior

Museu da Cidade do Recife promove oficina gratuita de estamparia neste domingo (20)

A diversão da garotada com a oficina gratuita de estamparia, ministrada pelo artista plástico Emerson Pontes. 

Oficina de estamparia(1)Na manhã deste domingo (20), seguindo a programação de férias em família no mês de janeiro, o Museu da Cidade do Recife garante a diversão da garotada com a oficina gratuita de estamparia, ministrada pelo artista plástico Emerson Pontes.

O tema de “inspiração” será o Forte das Cinco Pontas e a história do Recife. Para participar, é preciso levar uma camisa lisa, que será estampada durante a oficina. Se preferir, neste dia, o Museu também estará vendendo camisas de cor branca na lojinha do museu. Vale lembrar que os pais devem acompanhar os pequenos durante a oficia.

No último domingo do mês, dia 27 de janeiro, o Museu da Cidade promove uma oficina de pipa, também conhecido como papagaio. As crianças não só aprenderão como fazer o brinquedo, como também poderão levá-lo para casa.

CINCO-PONTAS – Continua em cartaz no MCR a exposição “Cinco Pontas”. A mostra reúne achados arqueológicos, pinturas e documentos ainda inéditos para o público, que comprovam a importância do Forte das Cinco Pontas em diversos momentos históricos da capital pernambucana. A entrada é gratuita.

SERVIÇO
FÉRIAS NO MUSEU DA CIDADE
20 de janeiro, às 10h – Oficina de estamparia
27 de janeiro, às 10h – Oficina de pipa
Endereço: Forte das Cinco Pontas, bairro de São José.
Visitação: de terça a domingo, das 9h às 17h 
Informações: 81 3355.3107
Quanto: entrada gratuita
www.museudacidadedorecife.org

Centro Cultural Cais do Sertão abre especialmente na segunda-feira (21) para receber os turistas dos cruzeiros

 Turistas que chegarão nos dois navios que aportam no Porto do Recife, o Costa Luminosa e o Marco Polo.

Centro Cultural Cais do Sertão_Francisco Andrade (2)O Centro Cultural Cais do Sertão abrirá, na próxima segunda-feira (21), com programação especial para os turistas que chegarão nos dois navios que aportam no Porto do Recife, o Costa Luminosa e o Marco Polo.

Na Praça do Juazeiro (área externa do Cais), haverá apresentações culturais para que os turistas possam viver as cores, a alegria e o entusiasmo de Pernambuco. As ações começam a partir das 9h da manhã com o trio pé de serra Estrela do Dia. A tarde haverá apresentações de orquestra de frevo e conjunto de percussionista.

Além das ações, o Centro Cultural Cais do Sertão estará com sua exposição permanente de Luiz Gonzaga e a vida do Sertão, funcionando normalmente das 9h às 17h. E também com a exposição Quando A Vida É Uma Euforia! da artista pernambucana Joana Lira

Plantar árvores nas cidades devia ser visto como uma medida de saúde pública, diz cientista

E se as cidades conseguissem, com uma só medida, reduzir a obesidade e a depressão, aumentar a produtividade e o bem-estar e diminuir a incidência de asma e doenças cardíacas nos seus habitantes?

arvores

fonte: https://www.theuniplanet.com

As árvores urbanas oferecem todos estes benefícios e muito mais: filtram o ar, ajudando a remover as partículas finas emitidas pelos carros e fábricas, retêm a água da chuva e diminuem as despesas com o aquecimento.

Num novo relatório, realizado pela organização The Nature Conservancy, os cientistas defendem que as árvores urbanas são uma importante estratégia para a melhoria da saúde pública nas cidades, devendo ser financiadas como tal.
     “Há muito tempo que vemos as árvores e os parques como artigos de luxo; contudo, trazer a natureza de volta para as cidades é uma estratégia crítica para se melhorar a saúde pública”, disse Robert McDonald, cientista da The Nature Conservancy e coautor do relatório.

     Todos os anos, entre três e quatro milhões de pessoas morrem, em todo o mundo, devido à poluição atmosférica e aos seus impactos na saúde humana. A poluição do ar aumenta o risco de doenças respiratórias crónicas, havendo estudos que a associam ainda às doenças cardiovasculares e ao cancro. As ondas de calor nas zonas urbanas também fazem milhares de vítimas, por ano. Vários estudos têm demonstrado que o arvoredo urbano pode ser uma solução eficaz em termos de custos para ambos estes problemas.

Apesar de todos os estudos que documentam os benefícios dos espaços verdes, muitas cidades ainda não veem a ligação entre a saúde dos moradores e a presença de árvores no ambiente urbano.
Robert McDonald defende a necessidade da cooperação entre diferentes departamentos e a inclusão da natureza nos debates sobre ordenamento urbano.

“Não é suficiente falar-se apenas das razões que tornam as árvores tão importantes para a saúde. Temos de começar a discutir as razões sistemáticas por que é tão difícil para estes sectores interagirem – como o sector florestal pode começar a cooperar com o de saúde pública e como podemos criar ligações financeiras entre os dois”, disse o investigador.

“A comunicação e a coordenação entre os departamentos de parques, florestas e saúde pública de uma cidade são raras. Quebrar estas barreiras pode revelar novas fontes de financiamento para a plantação e gestão de árvores.”

O cientista dá como exemplo a cidade de Toronto, onde o departamento de saúde pública trabalhou em conjunto com o florestal para fazer frente à ilha de calor urbano. Como muitos edifícios em Toronto não possuem ar condicionado, os dois departamentos colaboraram de forma a colocarem, estrategicamente, árvores nos bairros onde as pessoas estão particularmente vulneráveis ao calor, devido ao seu estatuto socioeconómico ou idade.

O relatório diz ainda que o investimento na plantação de novas árvores – ou até na manutenção das existentes – está perpetuamente subfinanciado, mostrando que as cidades norte-americanas estão a gastar menos, em média, no arvoredo do que nas décadas anteriores. Os investigadores estimaram que despender apenas $8 (7€) por pessoa, por ano, numa cidade dos EUA, poderia cobrir o défice de financiamento e travar a perda de árvores urbanas e dos seus potenciais benefícios.

Outros trabalhos também têm mostrado que o arvoredo urbano tem um valor monetário significativo. Segundo um estudo do Serviço Florestal dos EUA, cada $1 gasto na plantação de árvores tem um retorno de cerca de $5,82 em benefícios públicos.

Num outro estudo, uma equipa de investigadores da Faculdade de Estudos Ambientais da Universidade do Estado de Nova Iorque concluiu que os benefícios das árvores para as megacidades tinham um valor médio anual de 430 milhões de euros (505 milhões de dólares), o equivalente a um milhão por km2 de árvores. Isto deve-se à prestação de serviços como a redução da poluição atmosférica, dos custos associados ao aquecimento e arrefecimento dos edifícios, das emissões de carbono e a retenção da água da chuva.

Com demasiada frequência, a presença ou ausência de natureza urbana, assim como os seus inúmeros benefícios, é ditada pelo nível de rendimentos de um bairro, o que resulta em desigualdades dramáticas em termos de saúde. De acordo com um estudo da Universidade de Glasgow, a taxa de mortalidade entre os homens de meia-idade que moram em zonas desfavorecidas com espaços verdes é inferior em 16% à dos que vivem em zonas desfavorecidas mais urbanizadas.

Para Robert McDonald, a chave é fazer-se a ligação entre as árvores urbanas e os seus efeitos positivos na saúde mental e física. “Um dos grandes objetivos deste relatório é fazer com que diversos serviços de saúde vejam que deviam estar a participar na discussão para tornar as cidades mais verdes”, declarou. “As árvores urbanas não podem ser consideradas um luxo, dado que constituem um elemento essencial para uma comunidade saudável e habitável e uma estratégia fundamental para a melhoria da saúde pública.”

Saiba quais os 18 temas que deverão constar da pauta de debates no Legislativo em 2019.

Presidente do TST: ‘Justiça do Trabalho é imprescindível, eficiente e moderna’

RIO – O presidente em exercício do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Renato de Lacerda Paiva, recebeu as declarações do presidente Jair Bolsonaro, sobre o desejo de extinguir a Justiça do Trabalho, com “tranquilidade” e defendeu que o órgão é “imprescindível, eficiente e moderno”.

JUSTIÇA

Bolsonaro disse, na semana passada, que há um excesso de proteção ao trabalhador e defendeu uma flexibilização de direitos trabalhistas.

– A Justiça do Trabalho tem ótimos índices de produtividade e taxa de congestionamento bastante inferior a outros ramos do Judiciário.

Em 2017 foram revertidos aos cofres públicos cerca de R$ 3 bilhões em taxas, custas e recolhimentos decorrentes de processos trabalhistas.

A Justiça do Trabalho foi a primeira a se tornar 100% eletrônica, com a instalação do Processo Judicial Eletrônico em todo o país – argumentou Paiva.

Ele disse, ainda, que o então candidato Bolsonaro esteve no TST em novembro e disse aos presentes que eventuais mudanças no âmbito trabalhista seriam precedidas de consulta aos ministros do Tribunal.

– Nós estamos à disposição para prestar todas as informações necessárias sobre o papel da instituição e sua relevância para o país – disse o ministro do TST.

Na sexta-feira passada, Noemia Porto, vice-presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) afirmou que as declarações do presidente não têm fundamento e são de “difícil sustentação jurídica”.

– O poder executivo não tem o poder constitucional de atingir a estrutura do judiciário brasileiro. Não pode com uma canetada extinguir a Justiça, seja ela do Trabalho, Eleitoral, a Militar, porque isso fere a própria Constituição.

Quando a Constituição prevê direitos, como consumidor, trabalhador e cidadão, também prevê garantias para que sejam cumpridos, com o aparelhamento de um judiciário forte – disse Noemia.

Ponderou, no entanto, que confia no compromisso do presidente Bolsonaro de respeitar a Constituição.

No domingo, em resposta a Bolsonaro, a maior entidade regional do país, englobando São Paulo (capital), região metropolitana e Baixada Santista, a Amatra-2, convocou um ato, marcado para o dia 21, para defender a existência da Justiça do Trabalho.

O texto, divulgado domingo, foi assinado pelo presidente da entidade, juiz do trabalho Farley Roberto Ferreira. Ele convida ‘a todas e a todos os integrantes da magistratura e da sociedade civil para participarem de ato no qual serão discutidos pontos relacionados à atuação da Justiça do Trabalho e sua importância na manutenção do equilíbrio entre o capital e o trabalho’.

– Qual país do mundo que tem (Justiça do Trabalho)? Tem que ter a Justiça comum. Tem que ter a sucumbência: quem entrou na Justiça e perdeu tem que pagar. Até um ano e meio atrás, no Brasil, eram em torno de quatro milhões de ações trabalhistas por ano. Ninguém aguenta isso. É o excesso de proteção – disse Bolsonaro, na semana passada.

A nota da Amatra-2 diz que a Justiça do Trabalho existe há mais de 70 anos e “mantém êxito na pacificação social entre os interesses dos trabalhadores e das empresas, pois ao aplicar os direitos sociais trabalhistas, conserva a ordem no conflito de classes”. Ferreira lembrou ainda, que países como Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Portugal, Espanha, Bélgica e Austrália têm órgãos semelhantes.

E continua: “em toda sua história, também cumpre papel fundamental para a erradicação do trabalho escravo e do trabalho infantil, além de garantir a responsabilização pelos acidentes do trabalho, triste destaque do Brasil no cenário mundial”.

“Atualmente, é o ramo do Poder Judiciário mais célere e eficaz no cumprimento de suas funções constitucionais”, completou.