Alagoano Hermeto Pascoal vence Grammy Latino 2018. Com ele, Chico Buarque, Chitãozinho e Xororó, Lenine, Almir Sater e Renato Teixeira. Cada um em sua categoria

Natural de Lagoa da Canoa, o alagoano Hermeto Pascoal venceu o Grammy Latino 2018, na categoria ‘’Melhor Álbum de Jazz Latino’’ com o álbum ‘’No mundo dos Sons’’.

hpA cerimônia foi realizada em Las Vegas, nos Estados Unidos, na noite desta quinta-feira, 15.

Hermeto comemorou a conquista do prêmio de música mais importante da América Latina. “Hermeto Pascoal & Big Band acabam de ganhar o @latingrammys de melhor álbum de Jazz Latino! Viva a Música Universal!

Outros brasileiros também conquistaram troféu. O cantor e compositor, Chico Buarque, nas categorias Melhor Canção em Língua Portuguesa e Melhor álbum de Música Popular Brasileira, e a dupla Chitãozinho e Xororó, com Melhor álbum de Música Sertaneja.  O Melhor álbum de rock ou música alternativa de MPB – oLenine em trânsito, do pernambucano Lenine. Couve a Almir Sater e Renato Teixeira o premio de Melhor álbum de música de raíz em língua portuguesa – +AR.

Confira a lista completa dos ganhadores:

Melhor álbum pop – Hazte sentir, de Laura Pausini
Melhor álbum de salsa – 25/7, de Víctor Manuelle
Melhor fusão / Interpretação urbana – Malamente, de Rosalía
Melhor artista revelação – Karol G
Melhor álbum de música norteña – Guerra de Poder, deCalibre 50 y Los ángeles existen, de Pesado
Álbum do ano – México por siempre, de Luis Miguel
Melhor álbum pop – F.A.M.E, de Maluma
Melhor álbum de música urbana – Vibras, de J Balvin
Canção do ano – Telefonía, de Jorge Drexler
Melhor canção urbana – Dura, de Daddy Yankee, Urbani Mota Cedeno, Juan G. Rivera Vázquez y Luis Jorge Romero
Melhor gravação do ano – Telefonía, de Jorge Drexler
Melhor álbum cristão (em português) – Som dá minha vida, de Fernanda Brum
Melhor álbum pop de MPB – Noturno, de Anaadi
Melhor álbum de rock ou música alternativa de MPB – Lenine em trânsito, de Lenine
Melhor álbum de samba/pagode – Amor e música, de Maria Rita
Melhor álbum de MPB – Caravanas, de Chico Buarque
Melhor álbum de música sertaneja – Elas em evidências, de Chitâozinho Xororó
Melhor canção de MPB – As caravanas , de Chico Buarque
Melhor álbum instrumental – Identidade, de Miguel Siso
Melhor álbum folclórico – Musas, Vol. 2, de Natalia Lafourcade
Melhor álbum de tango – Vigor tanguero, de Pedro Giraudo
Melhor álbum de música flamenca – Al este del cante, de Arcángel
Melhor álbum de jazz latino / jazz – Natureza universal, de Hermeto Pascoal Big Band
Melhor álbum de música de raíz em língua portuguesa – +AR, de Almir Sater Renato Teixeira
Melhor álbum cristão (em espanhol) – Setenta veces siete, de Alfareros
Melhor álbum de música latina para crianças – Imaginaré, de Claraluna
Melhor álbum de música clássica – Mágica y misteriosa, de Claudia Montero
Melhor faz / composição clássica contemporânea – Luces y sombras. Concierto para guitarra y orquesta de cuerdas, de Claudia Montero
Melhor arranjo – Se le ve, de Milton Salcedo
Melhor capa – Diferentes tipos de luz, de Carlos Sadness
Melhor álbum de cumbia / vallenato – Esto es vida, de Silvestre Dangond
Melhor álbum tropical contemporâneo – Vives, de Carlos Vive
Melhor álbum tropical tradicional – A mi qué – Tributo a los clásicos cubanos, de José Alberto El Canario y El Septeto Santiaguero
Melhor álbum de fusão tropical – Como anillo al dedo, de Aymee Nuviola
Melhor canção tropical – Quiero tiempo, de Juan Carlos Luces y Víctor Manuelle
Melhor álbum de autor – Salvavidas de hielo, de Jorge Drexler
Melhor álbum de música ranchera / mariachi – México por siempre, de Luis Miguel
Melhor álbum de banda – Los gustos que me doy, de Banda Los Recoditos
Melhor álbum de música texana – Tex Mex Funk, de Roger Velásquez y The Latin Lengendz
Melhor canção regional mexicana – Probablemente, de Christian Nodal
Melhor álbum de rock – Expectativas, de Bunbury
Melhor álbum pop / rock – Geometría del rayo, de Manolo García
Melhor canção de rock – Tu vida, mi vida, de Fito Páez
Melhor álbum de música alternativa – Claroscura, de Aterciopelados
Melhor canção alternativa – Malamente, de Antón Álvarez Alfaro, Pablo Díaz-Reixa e Rosalía
Melhor engenharia de som – 50 años tocando para ti, de Rafa Sardina
Produtor do ano – Linda Briceño
Melhor clipe (curto)
Pa dentro, de Juanes
Melhor clipe (longo)
Em letra de outro, de Pedro Capou