O desabafo do cidadão gravataense José Orlando

17-ze-orlandoVotar nos deputados apoiados pelos vereadores que aprovaram o aumento da taxa iluminação pública em Gravatá, é gostar de sofrer e ser massacrado.

(Texto retirado da página do facebook de Zé Orlando)

Uma criatura que sabe o esforço que faz para colocar o pão na mesa, jamais votará nos deputados apoiados esse ano por esses vereadores que não tiveram pena do sofrimento do povo aprovando o aumento na taxa de iluminação pública.

Já não bastavam os aumentos que vinham acontecendo quase todos os meses na conta?

Mas para esses vereadores os aumentos ainda eram poucos.

Procure saber quem foram os dez que votaram contra o povo AUMENTADO O VALOR DA TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA.

Precisamos dar o troco a eles.

Se eles derem poucos votos aos seus deputados, ficarão com menos prestígio político e isso não é nada bom para quem só vive de votos.

A importância do primeiro de maio em Curitiba – Lula Livre (Um texto de Keiji Kanashiro – Fundador do PT)

lula imagemO JK dizia que o otimista pode errar, mas o pessimista já começa errando. Eu sempre fui um otimista radical, hoje com tendência a me tornar um otimista pragmático em função das coisas inimagináveis que estão acontecendo no país a partir do golpe de 2016.

No início dos anos sessenta, o Brasil vivia um momento extraordinário.

A partir da eleição de Juscelino, a construção de Brasília, a retomada do desenvolvimento ancorada nos investimentos na indústria automobilística no ABC paulista, a música, o teatro e o cinema brasileiro fazendo sucesso no mundo, no futebol o Brasil campeão do mundo em 1958 e 1962.

Quando da renúncia de Jânio, Jango só tomou posse devido à resistência popular liderada por Leonel Brizola.

A expectativa das reformas anunciadas por Jango trazia a esperança para o povo de um grande futuro para o país.

No inicio de 1964 apesar de algumas manifestações da direita, e da imprensa eu não acreditava que haveria um golpe no país e aconteceu.

No dia 17 de abril de 2016, eu estava no acampamento de resistência em Brasília e disse a Carina Vitral presidente da UNE, que a geração dela estava conseguindo impedir o golpe, coisa que a minha geração não havia conseguido nos anos sessenta.

Na ocasião eu trabalhava na Liderança do PT na Câmara dos Deputados e acreditava realmente que a direita não iria conseguir os votos necessários para instaurar o processo de impedimento da Dilma.

Conseguiram os votos na sessão vergonhosa, o processo foi para o senado e a Dilma foi deposta.

Desde a condenação do Lula no TRF4 muita polêmica no campo progressista sobre o que fazer.

Na verdade eu acho que a esquerda tem dificuldades de combinar uma estratégia revolucionária através de uma tática reformista.

Em algum momento ela terá que fazer autocrítica, e rever a estratégia e as táticas que foram utilizadas no período recente, em especial a no período de 2003 a 2014.

Eu tenho uma tese que se a maioria dos delegados do PT no V Congresso do PT em Salvador tivessem tido outra postura, talvez tivéssemos conseguido impedir o golpe de 2016, mas como disse, um dia vamos ter que avaliar tudo isso, mas agora não é a hora.

Agora a palavra de ordem é LULA LIVRE. Hoje eu gostaria de cumprimentar a direção do PT, quando antecipa o encontro para lançar Lula candidato e afirma que sua candidatura será registrada em 15 de agosto.

Eu tenho dito que hoje nós em termos objetivos temos mais condições de derrubar esse golpe do tínhamos quando do golpe de 1964.

No campo temos o MST e as demais organizações da Via Campesina, na cidade temos uma organização urbana que não havia na época que é o MTST, temos uma o movimento sindical e o movimento estudantil muito mais organizado.

A UNE e UBES nos últimos anos tem nos dado exemplos organização e de luta. Continuamos com apoio de intelectuais, artistas, da igreja progressista e de setores nacionalistas como tínhamos no período de resistência à ditadura militar.

No passado a nossa forma de comunicação com a população, era muito restrita e de pouco alcance, basicamente pichações, panfletagens e jornais clandestinos.

Hoje temos a internet, as redes sociais, a midia alternativa de esquerda que vem desqualificando a narrativa hegemônica da grande imprensa a serviço do imperialismo.

O mais importante é que não tínhamos na década de sessenta uma liderança popular como Lula, que tivesse condições de unificar a luta.

As condições subjetivas ou mais explicitamente a união de diversos projetos políticos do campo democrático na defesa da democracia.

A partir da condenação e prisão do Lula, isso começa a acontecer.

O fato das sete centrais sindicais, com divergências ideológicas se unirem na campanha LULA LIVRE e na convocação unitária para o Primeiro de Maio em Curitiba confirma isso.

Ontem no Programa Quarto Poder, o Eduardo Guimarães comentou vários fatos que comprovam que apesar de quererem calar o Lula, impedindo a visita de governadores, parlamentares, amigos e personalidades como Adolfo Perez Esquivel e Leonardo Boff, e até de seu médico particular, mostra que não estou conseguindo. Durante as greves de 1979 e 1980, o que mais me impressionava no Lula era sua capacidade de pensar a frente. Sempre era muito difícil para nós acompanharmos o seu raciocínio.

Hoje eu tenho certeza absoluta, que tudo o que estão acontecendo neste processo de resistência esta sendo orquestrado por ele como a definição o Primeiro de Maio unificado em Curitiba. As mensagens que ele tem enviado e as três cartas que sabemos que ele enviou a CUT, FUP e MST são provas disso.

Para explicar melhor, vou tentar relatar o que aconteceu em abril de 1980 durante a greve dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema.

No dia 01 de Abril, sessenta mil trabalhadores no Estádio da Vila Euclides decretam greve. Dia 14 de Abril o TRT declara a greve ilegal. No dia 17 de Abril o governo federal decreta a intervenção no sindicato. No dia 19 de Abril Lula a outros diretores do sindicato são presos no DOPS.

Diferente do que está acontecendo hoje, na ocasião mesmo em plena ditadura militar, Lula recebia diariamente visitas de advogados, amigos, políticos e personalidades.

Desta forma, mesmo preso ele dava as diretrizes para o comando de greve, na maioria das vezes através do companheiro advogado Luiz Eduardo Greenhald.

Obviamente ele também conversava com outros setores que estavam no Comitê de Solidariedade instalado na Assembleia Legislativa de São Paulo, com setores da igreja na figura de Dom Claudio arcebispo de Santo André, etc.

E uma das orientações, hoje eu acredito que foi a mais importante, foi a de organizar o Primeiro de Maio em São Bernardo. Fomos orientados para atuar junto à categoria, ao Comitê de Solidariedade e aos demais sindicatos que nos apoiavam, para que tivesse pelo menos 100 mil pessoas na manifestação, cuja pauta principal era Libertem Nossos presos.

No primeiro de maio, São Bernardo amanheceu sitiada, O exercito bloqueia os principais acessos, interdita o Paço Municipal e o Estádio da Vila Euclides.

A manifestação começa na Praça da Igreja Matriz e após um ato ecumênico, sai em passeata rumo ao Paço Municipal que estava ocupado pelo exército.

Como tinha muita gente, o exército recuou desocupou o Paço Municipal e depois o Estádio da Vila Euclides e cerca de 150.000 pessoas realizaram o Primeiro de Maio de 1980 exigindo a libertação de Lula e dos demais sindicalistas preso no DOPS.

Foi sem dúvida uma grande vitória, e o ponto alto do movimento. No entanto no dia seguinte, a repressão aumenta e a justiça nega o pedido de habeas corpus do Lula e no dia 11 de maio os metalúrgicos reunidos em assembleia decidem terminar a greve.

Alguns dias depois, Lula é solto, o como o sindicato continuava sob intervenção e ele continua comandando os metalúrgicos, através do Fundo de Greve.

A luta continua agora pela retomada do sindicato, que aconteceria alguns meses depois. Em termos econômicos os trabalhadores não ganharam absolutamente nada, muitos perderam o emprego e a maioria dos ativistas entra numa lista negra, são perseguidos e alijados do mercado de trabalho.

Mas em termos políticos, foi sem dúvida uma vitória extraordinária e uma grande contribuição dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, no processo de redemocratização do país, e nas lutas que os trabalhadores fariam a partir da experiência adquirida e do seu empoderamento como protagonista da história e que iria duas décadas depois eleger Lula Presidente da República.

Não sei o que vai acontecer em Curitiba na próxima terça-feira, minha bola de cristal não tem funcionado bem ultimamente, mas arriscaria a dizer irão fazer tudo para impedir que as pessoas cheguem lá.

Hoje de madrugada já começou o processo de intimidação quando um grupo de extrema direita faz um atentado à bala, ferindo duas pessoas no Acampamento de Resistência Marisa Letícia.

Deve ter repressão e talvez confronto físico da nossa militância com as forças de seguranças e com grupos de direita. Acredito que haverá mais de 100.000 pessoas, mas ainda não será suficiente para tirar Lula da prisão, mas um passo importante para uma grande mobilização popular.

Reconquistar a democracia passa necessariamente pela libertação do Lula e eleições para presidente da república. Só para lembrar a última grande mobilização no pais aconteceu em 1984, com a campanhas das Diretas Já. Começou com um ato em São Paulo na Praça da Sé com 300.000 pessoas, depois no Rio de Janeiro com 1.000.000 e em seguida em São Paulo com 1.700.000 pessoas.

Mesmo com essa mobilização nós perdemos e o Tancredo Neves foi eleito pelo colégio eleitoral. Eu costumo dizer que a ditadura civil/militar não durou 21 anos e sim 25 anos, pois efetivamente só conseguimos eleger diretamente um presidente da república em 1989.

Temos que aproveitar esse momento histórico em que o golpe está fragilizado e a direita se encontra numa sinuca de bico e não sabe o que fazer.

Se mantiverem o Lula preso, e mantiverem as eleições em outubro, as pesquisas apontam que Lula seria eleito. Aí teriam que impedir a posse e seria mais um golpe. Se soltarem o Lula, vão ter que cancelar as eleições.

Em qualquer uma dessas hipóteses, se acontecer o morro vai descer e não será carnaval.

As arbitrariedades cometidas pelo golpe, através de ações da operação lava-jato, com a conivência do judiciário, as medidas contra o país executadas por esse governo ilegítimo comandado por uma quadrilha de ladrões, conseguiram de fato resolver aquilo que mencionei acima, sobre as condições subjetivas para derrubar o golpe.

Hoje a esquerda, a centro esquerda, os movimentos sociais, o movimento sindical, a igreja progressista, os nacionalistas, os intelectuais, os artistas etc., unidos na campanha LULA LIVRE.

Por fim gostaria de dizer que seria muito importante que este Primeiro de Maio, terminasse com a convocação de grandes mobilizações nas capitais e grandes cidade do país, na preparação de grande mobilização em Brasília e com as centrais sindicais iniciassem várias greves pelas categorias mais organizadas na preparação de uma greve geral.

“Reflexão – Lc 7, 1-10” – Um texto de Inácio Junior

inmacioUma coisa é a fé em si, e outra coisa é como ela se expressa.

Para muitos, a fé em si nem sequer é percebida, de modo que existe uma necessidade muito grande de ritualismo e de formas exteriores de expressão da fé.

uem tem verdadeiramente fé em Jesus, acredita na autoridade do seu nome e na força da sua Palavra, e não necessita de manifestações exteriores para acreditar na eficácia da sua ação.

Deste modo, todos nós somos convidados a reconhecer que a grandiosidade da fé do Centurião que acreditou plenamente no poder da Palavra de Jesus e não exigiu dele nenhum rito ou gesto exterior e, porque acreditou, foi atendido naquilo que desejava.

Inácio Jr.

“A nossa eterna Revolução…” – Um Texto de CARLOS MOURA GOMES

carlos-mouraO termo “revolução” abrange uma área por demais delicada.

1817Refiro-me aos movimentos revolucionários que, muitas vezes, causa espanto para alguns e honra para outros, mesmo que as divergências políticas culminem com sangrentas guerras

Os Estados Unidos comemoram o dia 04 de julho com orgulho.

Foi com uma corajosa rebelião que treze colônias americanas enfrentaram o poder britânico e, com muita luta, em 1766 ganharam sua independência.

Hoje, não podemos ignorar, é a maior potência do mundo.

A França, no fim do século XVIII, era governada por Luiz XVI, rei sem escrúpulo e inimigo do povo.

Essa classe já não suportando tanta perseguição e injustiça, resolveu se unir e iniciou a mais importante revolução da história moderna.

Em 14 de julho de 1789, os rebeldes conquistaram a Bastilha, uma antiga prisão francesa que se tornou símbolo desse confronto, e assim, colocaram a monarquia de joelhos.

Aqui no Brasil Colônia, após vencerem com muito sofrimento a grande seca de 1816, os valentes nordestinos tendo como sede a então Capitania de Pernambuco, inspirados nos movimentos ocorridos na América e na Europa, revolveram enfrentar as tropas de Dom João VI que governava nosso país de forma tirana e arbitrária, além de derramar dinheiro com a Família Real e seus protegidos.

Eram, comprovadamente, gastos excessivos e desnecessários.

Começava a Revolução Pernambucana de 06 de março de 1817 que proporcionava ao povo, dentre outras vantagens, a liberdade de imprensa, a redução de impostos cobrados desproporcionalmente e uma Constituição elaborada com o povo e para o povo.

A Igreja Católica, comerciantes, juristas, fazendeiros e militares foram fundamentais nessa efêmera vitória de apenas 74 dias de República.

Mês que vem a conhecida Revolução dos Padres completa 201 anos, sem que nenhum governo enxergasse sua merecida importância, não somente na história de Pernambuco, mas do Brasil e do mundo. Sinto-me, honestamente, como se dela tivesse participado ativamente junto ao guerreiro José de Barros Martins, o “Leão Coroado”, e os destemidos missionários João Ribeiro e Miguelinho.

A retomada do poder pelas forças imperiais, jamais representou uma derrota para o povo pernambucano. Afinal, esse exemplo de cidadania se perpetuou em nosso sangue, nos transmitindo a certeza de que “mais valem as lágrimas de não ter vencido do que a vergonha de não ter lutado.”

Pernambucanamente,

CARLOS MOURA GOMES – Gravatá, fev/2018

“Sobre a candidatura Temer à reeleição”. Um texto do jornalista Apolo da Silva – Blog Os Divergentes

Porque não se deve descartar a candidatura à reeleição do presidente Temer.

temerHá um vazio político no Brasil para ser ocupado. A eleição presidencial deste ano será completamente diferente das anteriores.

A liderança nas pesquisas do inelegível Lula, o desempenho do inorgânico Jair Bolsonaro e a expectativa criada diante do festivo Luciano Huck revelam que há um buraco a ser preenchido.

O tucano Geraldo Alckmin não conquistou a confiança de seu partido. Lula terá que construir uma candidatura e tentar transferir os seus votos para o petista escolhido.

Os conhecidíssimos Marina Silva e Ciro Gomes estão estacionados. É nesse contexto que os estrategistas do presidente da República, Michel Temer, creem na viabilidade de sua candidatura.

Argumentam que, a despeito da crise, parte considerável da população está otimista com seu futuro imediato. A redução da inflação, da taxa de juro e do desemprego (mesmo que de forma tímida) estaria mudando o estado de espírito dos brasileiros. A intervenção do Rio de Janeiro certamente também vai influir no aumento da confiança no futuro imediato do país.

Cerca de um quarto dos ouvidos, em diversas pesquisas, acreditam no desempenho do presidente e acham que a situação econômica vai melhorar nos próximos seis meses.

Mais ou menos um quinto aprova o governo Temer e também a sua atuação na área da saúde. Pelo menos um terço aprova sua atuação na área da educação, no combate à fome e à pobreza e contra a inflação. Algo próximo de um quarto apoia sua política de combate ao desemprego e para a segurança pública.

Esses dados, mais a publicidade que se fará das realizações do governo durante a campanha eleitoral, dão confiança aos ministros e parlamentares mais próximos do presidente da República.

A disseminação de candidaturas neste campo, como as de Henrique Meirelles e Rodrigo Maia, não é interpretada como uma demonstração de fraqueza, mas como uma necessidade para impedir que outros nomes, de candidatos para valer, ocupem os espaços que ficarem vazios.

A presença nas pesquisas de Huck, do prefeito João Dória e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também servem a este propósito.

Há seis meses nem se pensava em intervenção no Rio, medida adotada oficialmente nesta sexta-feira. Essa decisão deve melhorar a avaliação do governo, e do presidente, acredita seu time de conselheiros. E ainda há mais que pode ser feito nos próximos sete meses.

Durante a campanha, o Brasil não para. O governo segue funcionando, os problemas surgindo no país e nos estados e sempre há quem bata nas portas do presidente Temer.

Por essas e por outras é que não se deve descartar a candidatura à reeleição do presidente Temer.

Muitos na cúpula emedebista e todos os seus ministros mais próximos acreditam que ela é promissora.

E que a avaliação que se faz de seu governo e de seu desempenho indicaria que, pelo menos, ele poderia chegar ao segundo turno.

Neste, novos apoios ele poderia obter dependendo de quem será seu adversário. Ninguém dirá isso formalmente, mas a candidatura Temer está de pé e, neste momento, há confiança em sua viabilidade.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Saiba a opinião do Padre João Paulo, Pároco da Matriz de Sant´Ana de GRAVATÁ

PREVIVocê tem todo o direito de ser contra ou a favor da Reforma da Previdência visto que você é o único que vai pagar a conta no bem ou no mal.

Artigo opinião do padre João Paulo, de grande repercussão na cidade, retirado da página pessoal do face do mesmo

padreAgora ver um monte de políticos posando de defensores do povo brasileiro porque são contra a Reforma é no mínimo uma falta de vergonha e muita cara de pau.

A grande maioria desses é gente que mama nas tetas do povo brasileiro há décadas, todos se aposentam com dois mandatos (8 anos), recebem altíssimos salários, inúmeras vantagens, dezenas de auxílios (moradia, roupa, alimentação, preguiça e inoperância…), sustentam grupos de bajuladores (assessores fantasmas, assombrações e laranjas), mesmo quando estavam no poder nos últimos 20 anos (20 anos de direita (PFL, PSDB…), 20 anos da esquerda (PT, PSB….) e 40 anos de PMDB pulando de lá pra cá) não mexeram uma palha pelos aposentados ou trabalhadores. 

E o que me dá mais raiva é ver gente boa e de consciência correndo atrás desse povo.

Maquiam com os chamados programas sociais para vender a imagem de pais dos pobres e ao povo que nada tinha pelo menos tem uma miséria pra ajudar na luta mas dando o filé mesmo para os grandes bancos e economias.

Agora, porque estão com medo de perder votos tentam enganar o povo dizendo que não votam na reforma da previdência quando na realidade estão com medo é de perder a mamata.

Só começo a acreditar num político que seja “a favor dos trabalhadores” quando ele entregar uma declaração renunciando a todos os auxílios, verbas, diárias e aceitando um salário digno pelo seu servico e pagando do seu bolso a casa, comida, escola dos filhos como fazem todos os trabalhadores que dizem defender.

Vamos deixar de ser iludidos e enganados ….só tem uma pessoa a favor do trabalhador: VOCÊ MESMO!

“Não é uma tragédia” Por Inácio Jr.

” A morte não é uma tragédia. Tragédia é quando a gente não viveu.”

inacio“Essas coisas acontecem. Um jovem adoece no verão. Um senhor é atropelado por um taxi. A biópsia aponta que o tumor é maligno. Essas coisas acontecem todo dia. E todos os dias saímos de casa achando que jamais acontecerá conosco. Uma doença leva embora um pai. O médico comunica um exame preocupante. Uma moto atravessa um sinal fechado. Todos os dias isso acontece. E todos os dias nossos planos são os mesmos. Trabalho, almoço, trabalho, jantar.

Não acho que seja uma tragédia quando essas coisas acontecem com a gente. Dizemos: “Que tragédia! Morreu tão cedo!”. Não acho que seja uma tragédia. Acho que a vida é um amontoado de caos e coincidência. Acho que hoje estamos aqui e amanhã não estamos mais. Uma tragédia é não agradecer por esse tempinho que estamos aqui. Uma tragédia é não valorizar a vida em família. Uma tragédia é trocar o sorriso do nosso filho pelo celular. Um passeio em família pelas preocupações do trabalho.

Uma tragédia é não abraçar as pessoas hoje. Uma tragédia é passar a vida em branco. Uma tragédia é achar que um dia vamos ser felizes, não hoje. Uma tragédia é achar que não vai acontecer com a gente. E a vida vai ficando pra depois. Um dia eu mudo de emprego. Um dia eu digo que gosto dela. Um dia eu faço uma viagem. Um dia eu vou ser voluntário nesse projeto.

Não acho que seja uma tragédia uma jovem cheia de planos descobrir uma doença grave. Acho uma tragédia quando aprendemos a valorizar o que temos só depois de perder. Acho uma tragédia não termos ido ainda para aquela viagem dos nossos sonhos. Acho uma tragédia viver de aparências. Acho uma tragédia ter comprado coisas achando que isso seria felicidade. Acho uma tragédia trabalhar em algo que você odeia. Acho uma tragédia você passar a vida brigado com alguém.

A morte não é uma tragédia. Tragédia é quando a gente não viveu.”

– Marcos Piagers.

“Alienados, um desastre mundial!” – Um texto de CARLOS MOURA GOMES, de Gravatá,

carlos mouraUm indivíduo alheio aos acontecimentos é como alguém que dorme profundamente durante um longo período. È um perigoso sono! È semelhante a quem produz algo sem saber sua real utilização. Os alienados são como folhas levadas pelo vento aos mais estranhos e distantes lugares.

Uma das principais fontes que contribuem para essa triste realidade é uma boa parcela de mercenários que dominam os meios de comunicação editando e “escolhendo” quais matérias serão divulgadas.

Infelizmente, esquecem a ética, prevalecendo a “conveniência” dos patrocinadores. O que realmente interessa pra esse pessoal são os índices de audiência, mesmo que para isso necessite de “misteriosas alterações” em sua grade de programação.

Hoje, muitos jornalistas já mostram claramente imensa dificuldade em noticiar apenas a verdade, atrofiando o já frágil crescimento político e sociocultural do público.

Gostaríamos que a mídia, repercutisse com maior atenção as premiações, por exemplo, do prêmio Nobel de Medicina 2017, ganho por Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Yong;

Esses três americanos desenvolveram pesquisas sobre o funcionamento do relógio biológico interno dos seres vivos.

Torcemos para que essa mesma imprensa fale sobre o Nobel da Paz 2017, ganho pela ICAN, uma organização não governamental, com cerca de 100 países, que defendeu o desarmamento gradual das, aproximadamente, 15.000 armas nucleares em poder das grandes potências.

Assim, quem sabe essa dominada platéia não repetiria os 77 por cento dados à novela Selva de Pedra, de Janete Clair, em 1972 e audiência igual para assistirem o capítulo final da novela América, de Glória Perez, em 2005, onde aguardavam, pasmem, o tão esperado beijo entre os atores Bruno Gagliasso e Erom Cordeiro.

Será que as instituições tradicionais estão perdendo todo o seu potencial para combater os poderosos da mídia?

Afinal, o que vemos, hoje, é uma escola que não ensina uma igreja que não catequiza e um punhado de partidos políticos fazendo “besteiras”. Caso não nos manifestemos, seremos condenados por nossos filhos e netos a pagar um preço muito caro, porque como disse Renato Russo “A juventude está sozinha / Não há ninguém para ajudar / A explicar por que é que o mundo / É este desastre que aí está.”

Conscientemente,

CARLOS MOURA GOMES – Gravatá, dez/2017

UM TEXTO IRREVERENTE DE UM GRANDE JORNALISTA – “Pra cima de moá ?”

ricardo carvalhoTexto do Jornalista Ricardo Carvalho (capturado na sua página da Rede Social)

“Pra cima de moá ?

Pernambuco Quer Mudar. A briga vai ser grande dentro do grupo que se diz oposição ao PSB de Paulo Câmara. Gente vaidosa, como João Lira Neto e Joaquim Francisco, e sonhadora & embalada pela prepotência como Fernando Bezerra Coelho, o traidor, e Armando Monteiro, o mais incompetente de todos.

E tem mais Bruno Araújo, com pouquíssima visibilidade eleitoral, e Mendonça Filho, que continua sendo pessimamente assessorado, ao participar de comercial do DEM como o cão chupando manga.

A briga vai ser de foice, porque cada um vai querer um pedaço de terra do  latifúndio chamado Pernambuco. Gente gulosa, gente que participou do Golpe de 64, gente que traiu todo mundo, todas as siglas. Gente que fechou banco ( a maior prova da sua incompetência ), gente que não tem voto e que nunca fez oposição – oposicionista de última hora. E gente que não tem o direito de falar do PSB, porque um dia foi eleito com os votos dados pelo Eduardo Campos.

A ingratidão, a traição e a incompetência tem voz ativa no Grupo…Pernambuco quer mudar, mas não com essa turminha.

PRÁ CIMA DE MOÁ, NÃO.”

“As religiões, os homens e Deus… “

Um texto de CARLOS MOURA GOMES – Gravatá

carlos mouraSegundo dados da ONU, Organizações das Nações Unidas, existem mais de cinquenta mil religiões no mundo com uma infinidade de deuses.

Somente na Índia calcula-se que, aproximadamente, milhões de nomes são venerados pelos seus quase um bilhão e meio de habitantes.

Porém, Alá para os islâmicos; Elah em aramaico; Elohim em hebraico, Jeová e Deus para o mundo cristão significam a mesma pessoa, ou seja, o Criador do Universo.

Sabemos que o objetivo principal da maioria dessas igrejas, é, sem nenhuma sombra de dúvida, possibilitar ao ser humano as condições necessárias para uma saudável convivência entre os povos, mostrando assim o verdadeiro sentido da vida.

Paradoxalmente, cada uma dessas instituições religiosas adota métodos que, muitas vezes, diferem das demais, provocando discórdias que, infelizmente, geram sangrentas guerras.

Daí a urgente necessidade de pessoas que, com inteligência e sabedoria, ultrapassem as expectativas do seu campo de atuação, buscando um amplo diálogo para evitar que o fanatismo se propague; que o radicalismo crie mais tentáculos, enfim, que a violência vença a paz.

 Exatamente o que Jorge Mario Bergoglio, extraordinário homem, hoje conhecido mundialmente como o Papa Francisco, está fazendo ao visitar a República da União de Myanmar, um país ao sul da Ásia com 51 milhões de habitantes, onde uma minoria muçulmana está sendo exterminada ou expulsa por, pasmem, budistas radicais que anunciam uma “limpeza ética”.

Pra termos uma idéia, já são mais de 900 mil refugiados em países vizinhos que afirmam não ter como abrigar tamanha população.

O corajoso “Homem de Deus”, evidenciando que as atitudes estão acima de quaisquer organizações, antes de embarcar para essa delicada e perigosa missão, falou para o mundo, exibindo simplicidade e humildade, suas únicas e poderosas armas, “Peço-lhes que me acompanhem com orações com a finalidade de que minha presença seja, para estas populações, um sinal de proximidade e esperança”.

            Para quem acredita num Ser Supremo, a quantidade de religiões nunca será motivo para justificar as divergências entre as civilizações, porque como escreveu Frei Betto, “Deus é Amor. Para nos ensinar a amar, ele inspirou o aparecimento das religiões. Deus mesmo não tem religião, mas pode ser encontrado através de todas elas”.

Religiosamente,

CARLOS MOURA GOMES – Gravatá, Nov/2017