Precisamos de patrocínio URGENTE para o jovem pianista gravataense de 16 anos LUIZ FELIPE. Logo ele vai “bombar” no Brasil

Nosso pianista ganhou uma bolsa de estudo no Rio de Janeiro de um dos maiores pianistas do Brasil, MIGUEL PROENÇA.

 Miguel Proença e Luiz Felipe

miguel proenca LUIS FELIPECaro Claudio Castanha.

“Não há prêmio em dinheiro que compense a experiência adquirida e as amizades construidas.

Infelizmente eu não me classifiquei à prova final do concurso Villa Lobos de Piano no Estado do Espírito Santo, do qual participei.

Entretanto, um dos jurados, Miguel Proença, me elogiou por meu esforço, sabendo que eu nunca estudei piano com um professor e que eu não tenho piano próprio (nesse ponto, agradeço de coração ao Villa Hípica Resort por disponibilizar seu piano para meu estudo).

Depois de uma conversa, ele me ofereceu uma Bolsa de Estudos com ele no Rio de Janeiro.

Sinto que esse prêmio foi o melhor de todo o concurso.

Agradeço muito a torcida de todos e também ao Blog do Castanha por me mostrar ao mundo e me engrandecer de uma forma simples mas que é de coração.

Um Abraço a todos os leitores de blog.”

Luiz Felipe.

 

Nota do editor_________________________

O BLOG tomou conhecimento que o jovem menino Luiz Felipe está à procura de patrocínios para bancar suas passagens para o Rio de Janeiro, onde vai estudar com um dos maiores pianistas do Brasil. Miguel Proença. Luiz Felipe tem que passar de 4 a 5 dias no Rio de Janeiro todos os meses, durante alguns meses. A estadia está garantida e será na casa do professor Miguel Proença (só poucos no mundo tem esse privilégio). Luiz Felipe trouxe uma carta para entregar ao governador Eduardo Campos. Pessoalmente, através do BLOG esta carta chegará nas mãos do governador. Quem puder ajudar liga para o BLOG – 9612 5228 – email blogdocastanha@gmail.com

 

“O filme da minha vida”

Para quem gosta de recordar com a professora DILSA MARIA FARIAS LOPES

 

dilsa foto 1Era uma tarde de quarta-feira do saudoso ano de 1969. Uma Kombi circulava pelas ruas de nossa cidade anunciando pela décima vez a exibição do filme “Dio come ti amo” no Cine Holanda em Gravatá. Filme que levava multidões às salas de cinema quantas vezes fosse exibido. As músicas “Dio come ti amo” e No ho l’etá embalaram os romances e os “bailinhos” de muitos jovens da época. A inesquecível Gigliola Cinquetti interpreta a bela e inocente jovem de família pobre que se apaixona pelo noivo rico de sua melhor amiga.

A euforia mais uma vez toma conta da cidade e por nada no mundo os jovens querem perder a exibição desse filme que falava justamente a sua linguagem. Ana Maria, como tantas outras meninas, escuta o anúncio do filme, chega a casa e fala para sua mãe: Mamãe, por favor, me deixe ir ao cinema hoje. A mãe pergunta qual o filme que ela quer assistir. A mocinha responde: – Dio come ti amo! Sua mãe fica pasma e lhe diz: – Não, esse filme, não. Você já sabe de cor toda a história!

A garota insiste tanto, que mais uma vez consegue a permissão para realizar seu sonho.

Levada pela emoção em rever àquelas cenas tão inesquecíveis, ela não vê a hora de chegar o grande momento!

Veste sua calça “saint tropez”, sua blusinha “cacharrel”, faz um rabo de cavalo no cabelo e lá se vai pela Rua do Comércio com destino ao Cinema.

Uma fila enorme já aguarda a abertura dos portões. O salão fica lotado. Começa o filme. A plateia, como sempre, ri, chora, suspira, aplaude. Todos torcendo para que a linda garota pobre conquiste o grande amor de sua vida!

A garotada já sabia o final, mas o importante era ver mais uma vez o AMOR vencer todas as barreiras…

Voltavam para casa com uma sensação de felicidade e esperança que as cenas vistas na tela um dia acontecessem em sua vida real…

Passaram-se mais de quarenta anos e um belo dia a jovem ao entrar numa casa comercial depara na sua frente com um DVD do filme “Dio come ti amo”. Bateu uma saudade misturada a certa melancolia e mais uma vez, Ana Maria resolveu assistir a essa película que tanto marcou a sua vida juvenil!

Senta na poltrona do seu quarto e começa a apresentação do filme tão amado. O coração bate forte, a emoção toma conta do seu ser. Não se controla quando vê as primeiras cenas onde a atriz-cantora entoa a bela canção No ho l’etá (Não tenho idade para amar)… Seu rosto fica banhado em lágrimas e os olhos opacos obscurecem um pouco o que está a sua frente. Mas por que tanta emoção? Pelo tempo. O tempo que passou e naquele instante lhe trouxe de volta recordações não só do filme, mas da inocência e encantamento de uma juventude feliz !

Quando a atriz canta a música principal “Dio come ti amo”  Ana Maria aplaude, não só a música, como a si mesma pela grande oportunidade que teve de rever algo tão simples, mas que trouxe ao seu coração lembranças que tiveram um grande significado em sua vida!

 

_____________________________

Dilsa Maria Farias Lopes é gravataense e todos os domingos colabora com o BLOG (dilsamaria@gmail.com)

 

GRAVATÁ, A HISTÓRIA DE UM POVO EM FOTOS E RECORDAÇÕES …

Projeto editorial, acervo, pesquisa, edição de texto e fotos da DILSA MARIA FARIAS LOPES

 

 adilsa nov 1 Uma singela homenagem ao Sr. Edgar Nunes Batista que tanto honrou a nossa cidade! Homem de rara inteligência possuía dons variados que conquistou a admiração de nosso povo. Na foto, uma de suas famosas engenhocas, seu passeio de lambreta e seu sorriso fraco e cheio de alegria que tanto nos contagiava. Nesse mês de novembro, se estivesse entre nós, teria completado 89 anos!

 adilsa nov 2 * Nesse mês de novembro também  foi comemorado o Dia do Músico. À pessoa de Ênio Barbosa, segue todo o nosso respeito, gratidão e reconhecimento  pela sua dedicação à música, animando as grandes festas de nossa cidade. Junto com ele, seus amigos José Ribeiro e Benigno Marinho (in memoriam).

adilsa nov 3* Mais uma família homenageada em nossa cidade: a família Borges! Formada por pessoas competentes que trabalham pelo engrandecimento de nossa cidade. Dona Otília e seus sete filhos: Elizabete, Mano Borges, Roberto, Alexandre, Bartolomeu, Fátima e Valéria!

Cartaz do inocente e inesquecível filme “Dio, come ti amo”!

adilsa nov 4

Orgulho de ser gravataense

Uma opinião do leitor Inácio Junior.

inacio junior novCaro amigo Castanha,

esses dias recebi um E-Mail de um velho amigo,  E-Mail este, contendo um vídeo que mostra um pouco da nossa Gravatá de antigamente, são 30 minutos com direito a uma rápida viagem a um tempo de pura saudade…. Após me deliciar com esta verdadeira relíquia, resolvi vim aqui no nosso querido blog, dividir com vocês e relembrar um pouco do passado.

 Pelo que este vídeo encantado nos mostra, da pra se ver, e sentir saudade de como era feito um verdadeiro carnaval na nossa querida Gravatá, carnaval este sem malícia, sem maldade, sem músicas toscas, sem mulheres peladas, e principalmente sem drogas…

Em seguida vemos um perfeito hasteamento da bandeira com um perfeito desfile cívico, ao contrário desses que são apresentados hoje em dia no 7 de setembro, com essas roupas enfeitadas demais, e temas que não tem nada haver com a independência. Vemos também a antiga feira livre no coração da cidade onde encontrávamos frutas, verduras e legumes sadios, sem agrotóxicos, observamos o Açougue de carne, que se brincar tinha mais higienização de que nos dias atuais.

Recordamos os antigos bancos da cidade como o Bandepe, o banco do Brasil, Banorte, e o Banco Econômico, pertinho das saudosas praças recheadas de flores e árvores, para se tirar lindas fotografias, e sem esquecer que nessas mesmas praças encontrávamos muitos bancos (Assentos) para se bater uma boa prosa, namorar, descansar e ver a cidade despertando e adormecendo.

Ah! Minha querida Gravatá, O que nós seres Humanos fizemos com você?

Certo que Tudo passa e temos que seguir em frente. O barato da vida é esse, viver novas experiências, ser feliz de várias maneiras. Apenas ficam as lembranças de um tempo que foi especial para nós. E que nunca iremos esquecer…

Saudades dos tempos que tudo era tão bom quando não existia o mundo virtual de hoje, Garotos de 13 anos usavam roupas remendadas por suas mãe. Férias eram só para soltar Pipa. Ninguém queria saber de namoro antes dos 15 anos. Meninas de 11 anos brincavam de boneca. Meninos de 11 12 e 13 anos brincavam de bolinhas de gude, Ninguém tinha maldade na mente.

Festas de 15 anos para meninas eram sagradas. Mesmo assim nossa querida cidade, é muito procurada por turistas pelo seu clima propício e prazeroso de se respirar, é devido a este clima ameno que favorece à degustação de vinhos e de foundue. Suas construções são em estilo suíço e possui infra estrutura turística com hotéis, pousadas e restaurantes de boa qualidade. Tem grande destaque na produção de artesanato em madeira, bronze e tecido, e é o maior produtor estadual de flores. 

Hoje posso bater no peito e falar que tenho Orgulho de ser Gravataense.

Inácio Jr.

Encontro do governador Eduardo Campos com o prefeito Bruno Martiniano foi proveitoso

Uma agenda administrativa para debaterem sobre o andamento das obras do Governo do Estado em Gravatá.

eduardo bruno pedro walNo meio da semana que passou o prefeito Bruno Martiniano (PTB) despachou com o governador Eduardo Campos (PSB), na presença do vereador presidente da Câmara Municipal Pedro Martiniano (PRB) e do deputado lider do governo na Assembleia, Waldemar Borges (PSB).

Na pauta da agenda administrativa, uma avaliação do andamento das obras do Governo do Estado em Gravatá, dentre elas o Parque e Academia da Cidade.

O BLOG não recebeu nenhuma informação se o socialista Eduardo e o trabalhista Bruno conversaram sobre política …

 

 

O microfone “Metralhadora Giratória” vai falar de POLÍTICA e o sábado fica mais inteligente

A POLÍTICA COMO ELA É

 

LOGOMARCA PRIMEIRA PAGINA  corelPolítica, política, Universidade aberta, o Natal de Gravatá. Esse e outros temas no programa de logo mais às 12hs, pela Rádio Gravatá FM. Programa Primeira Página, com Bosco Silva e Simone Cristina, produção de Marcia Daniela, direção de Gilson Neto e entrevistas do jornalista e blogueiro Cláudio Castanha – uma parceria inteligente do blogdocastanha com a Rádio Gravatá FM.

 

Vereador Pedro Martiniano conseguiu votar seu projeto de modificar o Regimento Interno da Câmara e antecipar a votação da Mesa Diretora para o biênio 2015-2016

camara 22-11c

Cinco vereadores discordaram da votação e se retiraram do plenário. O projeto de Lei veio assinado por 11 vereadores (inclusive o Léo do Ar que disse numa rádio que não concordava com a proposta de reeleição e seu nome apareceu na lista dos autores da proposta) e venceu por 10 votos contra cinco ausências.

Mais de 60 policiais militares, seis viaturas, dezenas de guardas municipais foram mobilizados para afastar centenas de populares da Câmara Municipal e assim garantir a realização da reunião dos vereadores de Gravatá.

O repórter Matuto da Rádio Cima FM foi avisado minutos antes da sessão começar que estaria impedido de realizar a transmissão ao vivo da sessão para a população ouvir de casa, pelas ondas do rádio. Um cidadão que soltava fogos nas proximidades do prédio da Câmara foi preso e com ele uma moça que fotografava o momento da detenção. Foi uma noite de muita tensão popular.

camara 22-11dNo interior da Casa Legislativa, uma verdadeira guerra de grupos de vereadores que, dentre outras questões votaram na marra, em sessão tumultuada com cinco parlamentares se retirando do recinto,   pela mudança no regimento interno que permite a antecipação das eleições para a mesa diretora do biênio 2015-2016 e a possível reeleição do atual presidente Pedro Martiniano Lins.

Na rua, distantes do acontecimentos, a população vaiava os vereadores, sob os olhares do forte esquema policial montado.

Os vereadores Luiz Prequé (PSB), Junior de Paulo (PRP) e Junior de Obras (PPS), argumentaram que não houve leitura definitiva da mensagem que pedia as mudanças do regimento interno, devido ao encerramento brusco da última reunião realizada na terça-feira 13 de novembro, onde o texto teria sido lido pela metade, inclusive sem o nome dos autores do projeto – vereadores Pedro Martiniano, Ana de Jaci, Gilmário de Uruçu-Mirim, Angélica de Ademir, Nino da Gaiola, Léo Giestosa, Elson Campos, Régis da Compesa, Neto da Banca, João Paulo Lemos e Léo do Ar (sim, o vereador que estava numa emissora de rádio dizendo que era contra o projeto de antecipação das eleições e assinou o projeto de lei).

Mesmo diante das argumentações  de que o procedimento regimental estava irregular e das ponderações do vereador Junior de Paulo pedindo que a leitura do projeto de lei fosse lida naquele momento, o presidente da mesa ignorou tudo e colocou o projeto em votação. Ganhou por 10 votos, já que cinco vereadores se levantaram e abandonaram o recinto da reunião – inclusive o Léo do Ar, um dos autores do projeto lei.

Antes de colocar em votação o vereador Junior de Obra ventilou a possibilidade de entrar com um recurso na Justiça para anular aquela votação. Mesmo assim, o presidente da Mesa botou o projeto em votação afirmando que assumiria a responsabilidade até perante a Justiça.

Mesmo com o forte aparato da Policia Militar manifestantes ficaram até o final para vaiar e protestar contra os vereadores quando se retiravam, sob proteção policial, do prédio da Câmara para pegar seus veículos.

 

 

Uma noite de muitos debates numa Câmara Municipal dividida e protegida pela Polícia Militar

camara 22-11b

Saiba o que os vereadores disseram.

 JOÃO PAULO LEMOS (PDT)

– Foi para tribuna hipotecar solidariedade a família do pequeno Pedro Henrique falecido na semana passada e a família acusa do Hospital de negligente, sendo este motivo de vários protestos na cidade. Hipotecou solidariedade também aos colegas vereadores que tiveram seus veículos danificados pela ação de vândalos na última reunião do dia 13 de novembro. João Paulo foi duro com os arruaceiros, elogiou a presença da Polícia Militar que estava no entorno da Câmara, disse que a Prefeitura tinha tomado todas as providências para apurar a morte prematura da criança e hipotecou solidariedade ao prefeito Bruno Martiniano, descando sua atuação à frente da Municipalidade.

NETO DA BANCA  (PRP)

– Fez um discurso muito duro diante dos acontecimentos lamentáveis  que tem ocorrido em Gravatá. Ironizou seu colega vereador Léo do Ar – sem citar o nome – ao afirmar que o mesmo “tirou proveito político do caso da morte do menino Pedro Henrique”, chamando-o de “oportunista, falso”, sugerindo que ele deveria tirar de vez sua máscara e assumir uma postura de homem decente”. Neto da Banca criticou aquelas pessoas que fazem tumulto na cidade, dizendo que elas faziam parte de um mesmo grupo, politicamente derrotado, que há doze anos vem praticando desordes, sempre a mando de alguém. O líder do Governo elogiou a administração do prefeito Bruno Martiniano e do vereador presidente da Câmara Pedro Martiniano.

DONA SONIA (PP)

– Foi para tribuna cobrar transparência ao presidente da Câmara vereador Pedro Martiniano. Pediu que ele apresentasse as contas da Câmara, as portarias, os nomes das pessoas contratadas, os cargos comissionados. Disse que o presidente da Câmara estava descumprindo o que determina a Lei 12.527, e que iria entrar com um requerimento pedindo a prestação de contas daquela Casa Legislativa. No final de sua fala, a vereadora disse que estava muito triste pelo fato do prefeito ter mandado demitir um funcionário por ela indicado, classificando o ato como a retaliação a sua pessoa.

 LUIZ PREQUÉ (PSB)

–  O vereador Luiz Prequé fez duras críticas ao Projeto de Lei do Executivo (que depois foi aprovado no plenário sem que a mesa diretora aceitasse seu pedido de vistas sob o argumento que o prazo para tal já havia esgotado desde o meio dia da quinta-feira) que autoriza a permuta de áreas do loteamento Ponto Alto Gravatá. No momento em que o projeto foi para votação, o vereador Pedro Martiniano foi para tribuna, enérgico, defender o projeto do Executivo e com veemência, o prefeito Bruno Martiniano das críticas do vereador do PSB. Os dois protagonizaram momentos de muita dureza na Câmara.

ELSON CAMPOS (PSD)

– Outro que foi para tribuna defender e se solidarizar com o prefeito Bruno Martiniano,  foi o vereador Elson Campos. Defendeu ardorosamente a gestão municipal do prefeito Bruno. Criticou os momentos em que a população vivencia lima crise política na cidade, solidarizou-se com os colegas vereadores que sofreram agressões dos vândalos que danificaram automóveis do mesmo e, se dirigindo a vereadora Dona Sônia – que havia minutos antes criticado a mesa diretora acusando-a de não prestar contas – para que a mesma consultasse o site da Câmara onde estão postadas as prestações de contas e outras informações.

LÉO GIESTOSA (PTC)

– Um discurso duro e dirigido as pessoas que o ameaçaram e danificaram seu veículo em frente da Câmara na última terça-feira, dia 23 de novembro quando mais de mil pessoas vieram para as ruas em frente a Câmara para protestar. Um discurso mais duro ainda quando se dirigiu ao seu colega Léo do Ar (PSDB), fazendo críticas, classificando-o  de usar máscara de não ter personalidade como político, que fala mal do prefeito mas fica o tempo todo mandando mensagens pedindo coisas. Leo Giestosa agiu com firmeza em seu discurso quando defendeu sua integridade física e moral, acusou pessoas que tentaram lhe agredir, danificaram seu patrimônio e exigiu respeito para si e sua familia.

 

Os vereadores Léo do Ar (PSDB) e Régis da Cmopesa (PSL) também usaram a tribuna.

 

Pelas ondas do rádio, o dia já começa amargo em Gravatá …

radio antigoOs programas de rádio da manhã parecem mais palanque dos nossos políticos. Enquanto jogam futilidades no ar, trocam, acusam e se defendem de agressões, a maioria da população prefere caminhar silenciosa em busca da sobrevivência.

Falta respeito para com os dirigentes e as instituições nos programas de nossas rádios.  

O gravataense cidadão pai de família acorda cedo cheio de esperanças, vai logo se organizando para sair para o trabalho, pensa nas dívidas, nas dificuldades que a vida oferece, imagina o quanto o dia que começa será difícil para conseguir trazer o pão para dentro de casa. Ele sabe que precisa acreditar em alguém, nas pessoas que dirigem sua cidade, que trabalham para melhorar a qualidade de vida da população.

A dona de casa gravataense acorda cedo, prepara o café da família, acorda os filhos e os prepara para a escola, deixa o almoço pronto antes de sair para o trabalho. Ela sabe que o mundo não está fácil, que os salários da família estão mínguos, que tem que fazer muita economia e lutar muito para manter. Fica imaginando lá com seus botões que precisa ter esperanças, acreditar nas pessoas, principalmente naquelas que estão responsáveis em gerar os serviços da cidade, nos dirigentes que ela escolheu através do voto democrático e os colocou em suas devidas funções.

E o político derrotado e seu grupo não deixa de agitar, difamar, pregar à discórdia e incitar a população para a baderna e a falta de respeito as instituições.

E o grupo político vencedor, que está no poder, não tem sabido usar de sua autoridade institucional para acabar com essa bagunça moral levada ao ar diariamente pelas emissoras de rádio da cidade.

O povo de Gravatá não merece isso.